Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


“Artistas vemos, costumes não sabemos”, como diria alguém em algum episódio de Chaves ou Chapolin que não vou me lembrar agora. Eu particularmente nunca fui muito com a cara da Olívia Munn, e essa história de “musa nerd” é um troço complicado por demais, assim como qualquer outra “musa” de qualquer outra coisa. Avaliar o talento de atuação da menina pra que, né? Fato é que ela começou a investir nisso não faz muito tempo e eu ainda não havia me convencido de que ela seria uma boa opção para uma personagem importante do universo mutante, até agora.

Infelizmente, é possível que Psylocke seja colocada como adorno dos heróis e vilões masculinos como a maioria das mulheres são colocadas, já que até mesmo a Mística, que é um suposto destaque, passa por isso (assim como Tempestade já passou, Jean Grey, Vampira, etc.). Então, se dificilmente teremos uma chance de ver uma atuação digna de Munn, o que nos resta senão assistir as cenas de ação bastante plásticas que são sempre oferecidas pelos filmes de herói? Voltamos, portanto, lá no início para falar dos costumes que não sabemos: ao que parece, se já não faz isso há tempos, Munn enxergou em Apocalypse uma oportunidade de investir em artes marciais, algo que credencia ela não apenas para atuar nesse filme em questão, mas para ser futura protagonista de outros filmes para outros nichos. E nada mais legal do que quando uma atriz ou ator dispensam dublês em suas cenas, é valorização dupla, visto que esses profissionais são essenciais para a movimentação das engrenagens cinematográficas. Mais importante ainda, nesse caso, é que ela pode servir de espelho para outras meninas que se interessem pela carreira de atriz, por artes marciais, pela Psylocke, que precisam se empoderar, que estejam lutando contra o machismo, o bullying, e por aí vai.

Na cena abaixo, postada no Instagram por ela, podemos conferir parte desse trabalho numa sequência de chutes com uma sparring, e eu posso dizer com bastante vergonha do meu sedentarismo (ou não) que não conseguiria dar nem meio chute desses:

Drop kick it like it’s…

A video posted by Olivia Munn (@oliviamunn) on

 

E um mês atrás ela já mostrava ter muito mais coordenação motora do que eu já pensei ter em toda minha vida ao manusear uma réplica de katana, armamento que é amplamente utilizado por sua personagem. Se eu fizesse isso certamente terminaria com ela batendo na minha cabeça:

Learned some new tricks… A video posted by Olivia Munn (@oliviamunn) on

 

É bom ver alguém levando tão a sério seu trabalho e os fãs, não apenas dela, mas também da Psylocke, resta saber se ela terá tempo de tela suficiente, depois de mil edições e cortes, para mostrar tudo que aprendeu. E será que a Fox a contratou para apenas um filme? No meio de toda essa onda de universos seria uma grande bobagem contratar tantos atores e atrizes bons e novos para apenas um filme. Vamos aguardar o resultado de mais essa novela da raposa trapalhona nos cinemas.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.