Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Desde quando era uma criança inocente que não deveria estar jogando Mortal Kombat, sempre simpatizei muito com o Scorpion, seus gritos de comando e, em especial, o fantástico poder da sua espécie de kusarigama que trazia para perto o oponente para que desferíssemos, na sequencia, e de preferência, um gancho poderoso para tirar o máximo de energia possível dele, podendo, inclusive, mandá-lo para um outro cenário. Esse texto tem como intuito fazer isso, de forma nada delicada, portanto não esperem nenhuma sensibilidade da minha parte para com o assediador porque, bem, eu não sou nem obrigado.

Uma cosplayer que acompanho desde o ano passado, quando cobri meu primeiro evento pelo FFC, nos passou durante o feriado uma denúncia de assédio por parte de um outro cosplayer, e no momento em que fiquei sabendo daquilo a minha vontade era, de fato, de vestir a roupa do ninja amarelo e ir atrás do moleque. Moleque, machista, escroto, idiota e nojento. Eu não vou expor o seu “nome de guerra”, Sub-Zero, fica tranquilo, mas as pessoas ligam os pontos, elas são espertas, e você me adicionou, ainda por cima, e saber que eu poderia ter te aceito me deixou mais revoltado ainda. Por sorte eu sou essa pessoa “chata” e fui olhar sua timeline pra descobrir que você tem uns posicionamentos completamente problemáticos, e agora tudo casa muito bem.

Clique nas imagens para ampliar e abrir a galeria:

A menina em questão, que não deu liberdade para que a situação continuasse indo onde ele queria que fosse e onde foi, é uma das mais competentes, preocupadas e simpáticas cosplayers aqui de Porto Alegre (agora acrescento paciente, ultra mega paciente), e como se já não bastasse o fato de o maior evento daqui achar suficiente colocar apenas banners pendurados num galpão dizendo que cosplay não é consentimento e ter uma segurança ineficaz (que só sabe tomar coisas das pessoas e jogar fora), as meninas ainda tem que conviver com assediadores também no âmbito pessoal. Ano após ano, vemos reclamações de que o número de cosplayers nos eventos diminuiu, será por quê? O que se sucede? Artistas como ela, somado a outros motivos, perdem a paciência e a vontade de estarem nesses lugares recheados de caras criminosos que passam a mão nelas e se escondem depois no meio da multidão (ou por trás de seus teclados). Covardes, e eu só não te exponho, ninja azul, porque, como empresa, posso ser processado, pois nossa justiça é tão machista e nojenta quanto você.

Sub-Zero toma gelo de todo lado, mas não se flagra, ele só quer ser invasivo, se masturbar, causar desconforto, exercer seu poder de "macho".

Sub-Zero toma gelo de todo lado, mas não se flagra, ele só quer ser invasivo, se masturbar, causar desconforto, exercer seu poder de “macho”.

Todavia, por causa do post denúncia dela, descobriu-se que o menino ninja punheteiro stalkeia inúmeras cosplayers daqui. Uma outra menina, inclusive, colou um print de uma tentativa de conversa do otário que sempre vem elogiando demais para tentar entrar numa conversa que, provavelmente, vai satisfazer ele do outro lado do teclado numa luta de cinco contra um. Será que a sua mãe sabe disso? Sua irmã? Sua tia? Suas primas? Suas amigas? Seus mais de 3000 “amigos” do Facebook? Aquelas mulheres que você elogiou no dia das mulheres, na sua timeline pro público te jogar biscoito, sabem disso? Machista, você merecia cada um dos fatalities que eu e todo mundo, especialmente as meninas gamers, já deram no Sub-Zero. E eu fico pensando naquela menina que também estava com cosplay do personagem e procurava uma foto em que você, moleque nojento, segurava ela no colo. Que nojo. E fica esperto, porque daqui a pouco alguém faz um BO e a casa cai, porque com 25 anos já dá pra ser preso por menos que isso. Imagina a BM batendo na sua porta, que vergonha, você não tem grana nem pra comprar o papel que limpa seu rabo e vai ter que explicar assédio sexual pra sua família.

E fica aqui o recado pra todas as nossas curtidoras cosplayers: sofreu assédio em evento ou fora dele e sabe quem foi? Passa pra cá que a gente denuncia, o FFC está aqui pra isso, pra dar voz a quem precisa. E se você foi mais uma abordada pelo Sub-Zero e quiser compartilhar o caso, manda pra gente via inbox, pois esse menino vai aprender a não mexer com as mina.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.