Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


O vídeo é antigo, mas não tinha visto ainda, talvez porque fazendo uma busca no Google com o nome do cara mais a frase escrita em sua cueca, “Legalize Gay”, eu não tenha encontrado NENHUM canal brasileiro de maior alcance divulgando o fato, se divulgaram ficou escondido, e eu só achei uma notícia num blog/site chamado “awebic” (e porque vi num grupo do Facebook), cansei de virar páginas na busca tentando encontrar outro, já que a maioria dos anúncios vieram de fora do Brasil. E considerando que o segundo maior conglomerado de TV do mundo, “Rede Globo”, tem os direitos de transmissão do UFC por aqui há algum tempo (seja na TV aberta ou em seus canais por assinatura), é no mínimo estranho não ver isso sendo estampado como “polêmica” (além dos já tradicionais comentários ignorantes que rolam na página quando o assunto é “polêmico”).

A atitude de Kyle é louvável, especialmente num ambiente que é sabidamente homofóbico, não tanto quando o futebol, por exemplo, mas é. Pra lutar tem que ser “macho”, ou alguma “gostosa” (de preferência lambuzada de gelatina, ou lama), e é por causa desse pensamento tacanho que gente acaba sendo excluída, ou abandonando carreira. As mulheres são vistas não por sua técnica, mas por sua beleza, e os homossexuais podem ser ídolos máximos, mas quando se revelam gays, MEODEOS, o mundo desaba; a pessoa “perde” sua técnica e passa a ser atacada por gente que um dia foi fã, porque ali é lugar de “macho”.

Os esportes e seus organizadores criam esses monstros corroborando ainda mais com a situação, e é mais triste ainda assistir aos eventos e ver uma mulher que comenta na TV por assinatura, que é lutadora profissional, compartilhando do machismo e da homofobia que corre solta dentro do UFC e dos tatames em geral. Seria bonito se ela lutasse, também, contra isso, mas não dá pra culpar uma mulher de ser machista, ela é vítima de toda uma construção.

Infelizmente Kyle pode sair em breve do circo do UFC, pois vem de derrotas seguidas, e possivelmente vem sendo mantido justamente pelo fator “show man”, já que Dana White curte esse tipo de atitude (se chama a atenção o dinheiro é certo, e ele adora dinheiro). Eu só espero que Kyle não tenha essa posição apenas por mais uma “criação” de Dana (como o xenofóbico Sonnen), que seria possível, mas improvável. Outra possibilidade é ele manter o cara pra que ele se revele homossexual e atraia ainda mais atenção. Enfim, especulações de quem sabe que o tal Dana se aproveita ao máximo de seus profissionais (a qualquer custo).

De qualquer forma, que essa luta continue firme e que todos possam viver felizes da forma que bem entenderem (desde que isso não machuque ninguém), e o ato é ainda mais amplo se pensarmos no casamento. Fique com o vídeo abaixo:

Em tempo:

Essa é a única referência que encontrei na Globo sobre o caso: “Kingsbury entra com uma cueca com os dizeres ‘Legalize Gay’ no bumbum” (no live da pesagem). Outros canais como o UOL, que tem sua marca no vídeo, também deixaram o fato escondido no meio de outras coisas, assim como a Globo, mas deram um pouco mais de enfase, bem pouco. O UOL possivelmente tenha se sobressaído porque seu braço de esportes no Brasil é a ESPN, um dos poucos canais de esporte do mundo que tem alguma decência, fazendo campanhas contra o machismo, contra homofobia, até mesmo através de documentários próprios (feitos pela ESPN Internacional), sendo que no Brasil foi um dos poucos canais que fez uma cobertura racional das manifestações.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.