Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


A grande diferença entre um episódio calmo inútil e um episódio calmo útil, foi explicada por mim no post do episódio passado, mas nem precisaria se comparássemos este episódio com o anterior, pois este felizmente voltou a elevar o nível da série. Parece que é alguma coisa com as personagens loiras da série, não pode, cagaram na Andrea e agora a Beth segue pelo mesmo rumo, já que todos os episódios que tiveram as duas como personagem central foram uma verdadeira bosta (e as atrizes também não são grande coisa, infelizmente, especialmente no caso da Andrea, que é uma baita personagem na HQ).

SPOILER!

O texto abaixo contém informações sobre o episódio em questão, não siga se ainda não assistiu.

A desconstrução de Abraham:

Eu sou uma pessoa que é amplamente contrária ao uso de flashbacks, pois, em geral, se você precisa usá-los é porque sua história foi fraca em algum momento e precisa de amarras para seguir em frente. Felizmente o que ocorreu no episódio de ontem não se enquadra no caso, e foi pouco usado, além de bem usado quando feito.

A historinha de Abraham foi contada para mostrar o porquê de tanta truculência, já que ele é um dos personagens mais machucados da série, não fisicamente, mas sim psicologicamente. Ele, também, precisa ser introduzido para quem não acompanha a HQ, mas eu realmente acho que nem precisaria dos flashbacks para isso, todavia posso entender que mostrar ele falando sobre o que sofreu em alguma passagem (dialogo com Rick, por exemplo) poderia diminuir a importância do ocorrido.

A revelação de Eugene:

Mais um momento em que a série supera a HQ (sim, eles existem, são vários), onde cortaram a história pela metade (enrolação, eu diria), e o mal pela raiz, fazendo Eugene mostrar quem realmente é logo de cara (ou seja, um cagão). Um dos caras que mais deixa geral com raiva, mas que, pasmem, será muito útil no futuro (e espero que o ator não tenha uma crise e abandone a série como a atriz que fazia a Andrea fez). Eu definitivamente fiquei muito feliz com esse corte de história, porque essa viagem pra Chicago é imensa, e apesar de interessante, como disse no post passado, sem o grupo unido ela não funcionaria (culpa do desvio na história feito anteriormente).

Amor e ódio:

“Amor”, no caso. A existência de Abraham é diretamente ligada a inteligência de Eugene, que soube, de forma perspicaz, dar um motivo para o militar sobreviver a desgraça que havia lhe ocorrido. E considerando o ocorrido, reverter isso só seria possível com algo da dimensão “vamos salvar a porra do mundo todo” (o que agora todos sabem, era uma mentira).

Censura:

O episódio não é nem de longe o mais violento da série, nem de longe o mais gore, mesmo assim correu o risco de ser censurado por causa da cena em que Abraham mata um zumbi com as próprias mãos/uma enlatado, por causa das crianças estripadas por zumbis no final dos flashbacks (estadunidense adora matar criança em guerras, mas não pode ver criança sendo morta na ficção televisiva), e por causa, lógico, do sexo entre Abraham e Rosita (porque ninguém trepa, ninguém fica pelado, ninguém sabe o que tem debaixo dos panos). Podem ter certeza de que eu expressarei decepções futuras aqui pra vocês, pois o que está por vir é muito pior e se quiseram censurar isso, nem sei se sobrará algo do resto.

SPOILER!

Daqui pra baixo estão spoilers que relacionam a história deste episódio com a HQ, estejam avisados.

A viagem pra Chicago:

A treta toda acontece pós fuga dos canibais e, até onde eu me lembro, o grupo vai pra lá unido; a medida que a farsa de Eugene é descoberta por Rick (a memória tá curta, talvez eu releia as HQs pra refrescá-la). O arco para essa descoberta é o walkie talkie via satélite que Eugene chega a mostrar num dos episódios, que segundo ele é um contato com o CDC de Chicago. Fato é que em um dado momento Rick descobre que a porcaria está sem pilha/bateria há séculos, e, depois de ser amplamente apertado contra a parede, Eugene revela que não é cientista porra nenhuma. Felizmente, ou não, houve uma mudança de planos no roteiro.

Digo que “ou não” porque eu realmente não sei onde vai parar aquela história que envolve o resgate de Beth e Carol, que pode dar uma bela história, ou uma porcaria de história. Eles deveriam ter mantido o roteiro, mas talvez Kirkman achasse essa viagem para Chicago, até a revelação da mentira, ensacante (e realmente é um pouco). Então, pensando melhor acerca do que falei na resenha anterior, Beth a parte, essa mudança de rumo da história pode ser uma boa (até porque pode ser mais ação, haja vista que certamente Abraham voltará atrás do grupo de Rick e ajudará eles em algum pé da história).

SPOILER!

Abaixo spoilers relacionados ao episódio em questão e ao próximo.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

The Walking Dead: Self Help (s05e05)
PRÓS:
  • Uso adequado de flashbacks
  • Corte de enrolação na história
  • O episódio não foi censurado
CONTRAS:
  • Possibilidade do desvio de história ser ruim
  • Possibilidade de censuras futuras
8.8Nota
Nota do Leitor: (0 Votes)
0.0