Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Existe um problema muito grave que pode afetar qualquer resistência a ideias baseadas em apocalipse: nós somos humanos, e humanos fazem merda, muita merda, sempre que podem, sempre que acessam uma zona de conforto. Essa zona de conforto pode advir de fragilidade, de tranquilidade, de inocência, de maldade e até mesmo da raiva. E em Crossed o que nós vemos é uma junção de tudo isso e mais um pouco, felizmente mais um ótimo episódio que conseguiu equilibrar a ação necessária com uma abordagem social gratificante.

SPOILER ALERT!

O plano de Rick Grimes é sempre o melhor:

Ainda não chegamos no momento em que Rick será um líder indiscutível (se é que isso ocorre), ainda mais se considerarmos a presença de lideranças como Tyreese, que ainda não desabrochou, Abraham, que já chegou chutando bundas, e Daryl, que peitou em Crossed. Todavia é bem importante lembrar quantas vezes o cara já salvou a galera e como essa galera parece esquecer isso de vez em quando.

E eu já aviso a quem somente assiste o seriado e tem raiva dessa treta: vai acontecer muitas vezes mais, infelizmente. E mesmo parecendo um animal, Rick está sempre 99% certo, e se existe erro é detalhe. O cara é o líder máximo do apocalipse, pessoal, apenas sigam ele, ajudem ele a controlar a animalidade e esqueçam o resto. Mas, embora esses questionamentos à liderança dele mê deem um pouco de raiva, isso é bom, pois é mais um indicativo de que Kirkman está mais próximo do desenvolvimento da série, coordenando tudo pra ninguém cagar no roteiro.

A crise existencial de Abraham:

Não tenho muito o que falar aqui, a não ser que o ator está excelente no papel do explosivo fortão de coração enorme, que continue assim, já que ele é um dos melhores personagens da história e merecia com certeza ser bem retratado/interpretado. Para algumas pessoas a cena da birra pode ter demorado um pouco mais que o necessário, mas a revelação de Eugene pedia um momento de reflexão, especialmente para que Abraham possa botar a cabeça no lugar, voltar e ajudar Rick em sua missão.

As trapalhadas de um jovem padre cagão:

Volto a dizer: pra quem já não está aturando o padre Gabriel, a situação tende a piorar e muito, porque ele é quase que absolutamente inútil, a não ser pelo acréscimo necessário da discussão religiosa, sua necessidade para a sociedade, onde ela deve entrar, onde ela não deve entrar de jeito nenhum, enfim, seus limites. De qualquer forma, Gabriel mais atrapalha do que ajuda e pode ter certeza que alguém vai se deslocar atrás dele e alguma merda vai sair disso.

Por que, Sasha? Por quê? 

Uma pessoa fragilizada é uma pessoa com capacidade para produzir um quilo de idiotices e lá na finaleira, quando tudo estava muito bem obrigado, Sasha é iludida por um Bob que não é Bob e uma história pra boi dormir. Precisava? Claro que precisava, é o que eu disse lá no início e não venha me dizer que você seria vossa santidade inabalável porque não é assim que a coisa funciona no meio do caos. Agora é esperar pelo próximo, e abaixo você pode conferir a chamada pra ele.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

The Walking Dead: Crossed (s05e07)
Quantas pães de queijo vale esse episódio?
PRÓS:
  • Tudo menos os contras
CONTRAS:
  • Qualquer cena com a Beth
  • Ainda com pé atrás nesse desvio de história
9.5Nota
Nota do Leitor: (1 Voto)
9.0