Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


A essa altura todo mundo já deve saber que existiu na década de 90 um projeto liderado por Tim Burton (aquele mesmo que adora o Johnny Depp e, em geral, é genial) para fazer renascer no cinema um dos maiores heróis da DC, o Super-Homem. Com direitos adquiridos em meio a muita sorte, um roteiro do jovem e brilhante Kevin Smith e Nicolas Cage no papel principal, tinha como esse filme dar errado? Tinha como ele dar mais errado que o Superman: O Retorno de 2006? Tinha, tanto que o filme nem existiu, e apesar do laureado roteiro de Smith que eu nunca parei para ler, tudo nesse filme meio que cheirava a bosta. A começar pela visão Burton das coisas, pois ele pode até ser ideal para um filme do Batman, mas definitivamente não é o cara para dirigir e fazer o design de um Superman. Por que não entregar roteiro e direção para Smith, então? Porque o mercado cinematográfico, especialmente naquela época, não aceitava bem novatos dirigindo blockbusters. E o que falar de Nicolas Cage no papel do Homem de Aço? Não falo nada, só linko o ridículo vídeo abaixo dele experimentando uma roupa ainda mais ridícula de latex com cabelo também ridículo:

E é a história dessa bizarrice que acabou sendo escarrada pra fora das salas de cinema que o, possivelmente engraçado, documentário The Death of “Superman Lives”: What Happened? vem contar para nós, entrevistando cada um dos envolvidos nessa empreitada que não deu certo (ainda bem?). Porque se tivesse dado certo, talvez a imagem do herói tivesse sido ainda mais maculada do que já é nos dias de hoje fora dos quadrinhos, tornando ainda mais impossível praticá-lo nas telas e agradar aos fãs e a massa. Fazendo dele quase um Hulk, que ninguém consegue executar com a decência que merece (a não ser em pontas nos Vingadores). Enquanto essa pérola dos documentários não chega, você pode conferir os primeiros minutos no vídeo abaixo, bem como o genial pôster:

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.