Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Mais um projeto fundado através do Kickstarter, STEM System são controles com os já comuns sensores de movimento presentes nos Nintendos, Sonys e Microsofts da vida, mas ele tem um diferencial muito importante: funciona com o Oculus Rift. Já falamos diversas vezes do sistema de realidade virtual por aqui, e eu particularmente acho o Oculus Rift inviável, bem como os outros sistemas menores e aparentemente mais confortáveis, como o Project Morpheus da Sony, já que eu não me vejo jogando com essa porcaria presa à minha fuça, além da possibilidade de quebrar tudo em volta em algum jogo de luta, ou me quebrar, e/ou ser assaltado sem ver no processo (esse último é meio paranoia, eu sei).

Contudo, entretanto, todavia, não obstante… O STEM System, associado com o Oculus Rift, nos permite possibilidades infinitas, e é um fato que poder viver o cenário é algo bastante desejado, e estamos no caminho disso desde que apareceu o Wii Mote. No vídeo abaixo você vai conferir uma dessas possibilidades, um demo criado com o sistema de treinamento clássico do universo Star Wars, somado aos dois sistemas. E é só alegria esse “Lightsaber Demo”.

Adendo: outro problema que identifiquei é o fato de que, por não enxergar nada a sua volta, o jogador já teria que iniciar o jogo com o STEM System na mão, coisa que o rapaz em questão não fez. Já que, por mais que o Oculus mostre o STEM dentro do jogo, a “perda da visão” prejudica a localização dele no espaço real. Se você perde a visão, não estando acostumado com isso, o costume vem com o tempo e isso é um complicador para os sistemas de VR, que por tabela limitam também os outros sentidos.

Talvez, com a evolução do sistema, o controle mude, uma ideia que acabei de ter seria criar um app para smartphone que emulasse controles somente virtuais que o jogador possa pegar e usar, com botões definidos e tudo mais, o app poderia “invadir” o Oculus Rift/Jogo , como já faz (mas eliminando o meio físico); e aí se mostrar, bem como seus botões, para que o jogador aprenda a utilizá-los, podendo inclusive iniciar um tutorial no processo, no meio do jogo. Mas se pararmos para pensar isso pode ser embutido no próprio jogo, tonando o STEM inútil. Então, o que eu penso, é que a ideia precisa ser aprimorada para não se perder, e talvez seja conveniente patentear o sistema de forma física e virtual.

Enfim, confira o vídeo e se quiser acessar o site do projeto clique AQUI:

BÔNUS: vídeo introdutório sobre o controle. 

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

Sobre o Atendente

Coordenador e gerador de conteúdo
Google+

Militância pé na porta! "Às vezes está louco na problematização". Cru. Somente a verdade, nada mais que a verdade. Já foi ignorante e às vezes pensa que é inteligente. Viciado em: consumir informação, alguns jogos, música e sexo. Se formou DJ e Produtor Musical pela AIMEC, não era o que a família queria. Preza por água de boa qualidade (não me venha com Crystal), bem como cerveja (não me venha com Skol). Cozinha muito bem e não come animais. Mora no Cubo Mágico, QG de operações localizado em Porto Alegre, mas é mineiro e come pão de queijo enquanto ainda tiver. Torce para o Palmeiras: "Ninguém é perfeito". Idealizador, fundador, pica das galáxias e rei do universo. Obrigado, de nada.

Lanches Similares