Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


É injusto chamar o Spotify de Netflix, pelo menos no Brasil, pelo menos para quem não usa o Hola, que já indicamos aqui e que libera o conteúdo das Netflix do mundo todo para os assinantes. A Netflix tem conteúdo limitado, especialmente no Brasil, e isso é um fato inegável, infelizmente; de qualquer forma é um serviço excepcional, só as séries exclusivas já pagam o custo de assinatura (e o fato de não se ver comerciais também).

Ambos os serviços custam muito pouco e trazem conteúdo diversificado, mas no caso do Spotify não é necessário nenhum desbloqueio, e ao contrário do que disse o Marcelo nesse post, é sim possível ouvir seus álbuns e playlists no modo offline, e o sistema é sensacional.

Sensacional por oferecer conteúdo de altíssima qualidade, da mesma forma que o Netflix, bem como um app para celular, que se não fosse nossa 3G vagabunda funcionaria muito bem, mas para resolver isso existe o modo offline. Você pode baixar tudo que ouve. A biblioteca é sensacional, super ampla, e tudo em HD, o que poupa o problema de ter que cavar arquivos que prestem pra baixar.

São serviços como o Spotify, como a Netflix e como a Steam, que combatem a pirataria, é oferecer qualidade por um preço que vale a pena. E eu, como consumidor compulsivo de música, não teria como pagar por tudo que consumo, são mais de 1200 bandas (cada uma com diversos álbuns), seria impossível administrar isso não sendo rico, ainda mais com o preço surreal que pagamos aqui no Brasil por um álbum, especialmente porque não recebemos os melhores produtos, as edições especiais. Então tanto faz se o produto é físico ou não.

E tem mais: eles polpam a preguiça de sair atrás de coisas novas para conhecer, já que dão dicas ao fazerem cruzamentos/indicações com base no que já foi consumido, e especialmente no spotify isso funciona muito bem. E eu posso dizer que já cansei de ir atrás de coisas novas para ouvir (usava o last.fm pra facilitar isso), além de ter que baixar tudo e alocar espaço no meu computador para gigas e gigas de música. Com o Spotify eu só baixo o que quero ouvir no celular, noutro caso ouço no próprio software em meu PC (mas se quiser baixar também posso).

Indico para qualquer um curta música, especialmente os compulsivos como eu, haha, e custa apenas U$5,99, pouco mais que R$12,00 a assinatura premium, e assim como a Netflix oferece o primeiro mês de graça. Os pilas mais bem gastos do momento, e espero que continue pensando assim.

Nota: existe também o modo Free, mas nele você ouve anúncios no meio das músicas.

Dica do amigo e leitor, Márcio Zamperetti.

 

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

Spotify: a Netflix para quem curte música
Quantos danoninhos vale esse sistema?
10Nota
Nota do Leitor: (0 Votes)
0.0

Sobre o Atendente

Coordenador e gerador de conteúdo
Google+

Militância pé na porta! "Às vezes está louco na problematização". Cru. Somente a verdade, nada mais que a verdade. Já foi ignorante e às vezes pensa que é inteligente. Viciado em: consumir informação, alguns jogos, música e sexo. Se formou DJ e Produtor Musical pela AIMEC, não era o que a família queria. Preza por água de boa qualidade (não me venha com Crystal), bem como cerveja (não me venha com Skol). Cozinha muito bem e não come animais. Mora no Cubo Mágico, QG de operações localizado em Porto Alegre, mas é mineiro e come pão de queijo enquanto ainda tiver. Torce para o Palmeiras: "Ninguém é perfeito". Idealizador, fundador, pica das galáxias e rei do universo. Obrigado, de nada.

Lanches Similares