Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Ainda ontem vi o site Collider divulgando um post dizendo que não mais falariam do caso mais grave de invasão já registrado no mundo, o recente hackeamento da Sony Pictures. Quando a história começou muito se falou que tudo estaria ligado a nova comédia da parceria Seth Rogen e James Franco, o que foi negado pela empresa (que a essa altura já havia sido ameaçada, invadida e tido vários sites derrubados). A Sony já sabia o motivo e negou que fosse aquele.

Na invasão os hackers deixavam claro que se não fossem atendidos a história seguiria em frente, e eles divulgaram inclusive os endereços de arquivos que foram roubados (vários terabytes saíram de lá). Ou seja, foram feitas exigências e mais uma vez eu repito: a Sony estava ciente delas. A empresa em questão é campeã em ser invadida, eu mesmo já fui vítima de um dos casos quando minha conta PSN foi pro espaço durante uma invasão à rede. Negligentes foram, negligentes são.

Desde o primeiro dia, quando os sites caíram, canais de cinema de todo o mundo, os maiores pelo menos, vem recebendo notícias o tempo todo sobre o caso.  Daquela data pra cá, nós tivemos vazamentos de filmes inéditos, como Fury, que conta com investimento enorme e elenco estrelado, além do vazamentos de documentos e informações internas, lucros e dividendos dos filmes do estúdio, números de seguro social e registros médicos de empregados, e também valores de salários dos executivos de alto escalão da empresa.

Dentre várias das informações internas, tivemos o vazamento de e-mails comprometedores de diversos top top funcionários. Um deles xingava Angelina Jolie, outro praticava racismo com Obama, outro chamava os filhos de Will Smith de loucos por causa de uma recente entrevista deles, e pedia que as pessoas do estúdio tomassem cuidado para que Smith não enfiasse seus rebentos nos filmes da empresa, pois eles não querem saber de atuar.

O Fast Food, até agora, não vinha divulgando nenhuma das notícias, mas eu coletei dados e salvei todas elas. A postura nada tem a ver com a que o Collider divulgou em nota ontem, sobre não dar voz aos hackers “porque é isso que eles querem”, nós iriamos divulgar os fatos ocorridos mais cedo ou mais tarde, e o momento chegou porque exatamente agora a situação ultrapassou os portões da empresa Sony e virou ameaça à população.

Existe uma diferença gigantesca entre hackers e terroristas, e o pé que chegamos é o de terrorismo, e é obrigação de canais como o Fast Food, o Collider e tantos outros, manter as pessoas informadas. É obrigação também das autoridades de darem, urgentemente, a atenção que não vinham dando ao caso até agora. Não atenção as escondidas, mas sim através de um pronunciamento que coloque as pessoas a par das medidas que estão sendo tomadas com relação ao caso. Ele é sério, independente de as ameaças serem falsas ou não, e essas pessoas se postaram com absoluta segurança ao dizerem que não seriam pegas.

E ao que parece o filme A Entrevista foi sim o estopim para os acontecimentos, e na ameaça, que usou referências ao 11 de setembro, eles prometem atacar sessões de cinema que estejam projetando o filme. As ameaças não são de ataque virtual, mas sim de ataque físico, incluindo à premiere do filme. Na mensagem, transcrita em inglês abaixo, eles pedem que as pessoas mantenham distância das sessões e que deixem suas casas se morarem próximas a locais que projetem o filme. Dizem que quem busca diversão no terror também deve sofrer.

É uma ameaça direta aos Estados Unidos, por remeter ao 11/09, e a Sony, por colocar a culpa de qualquer coisa que esteja por vir nela e em sua “ganância”. No fim pode ser um ataque virtual e só? Claro, mas as mensagens de ódio propagadas pelo grupo podem estimular pessoas que não estejam a fim de deixar a situação passar batida, e nós podemos buscar na memória os mais diversos casos onde pessoas, num país que tem a venda de armas fracamente fiscalizada, fuzilaram dezenas de inocentes em sessões de cinema, em escolas, em parques…

Eu cheguei, em meus devaneios, a cogitar que isso tudo fosse parte de uma divulgação viral do filme, mas se eles fizeram isso, gerando pânico dessa forma, nesse nível, vão acabar todos presos. Cheguei a considerar também uma “operação bandeira preta”, onde um motivo é criado para que um inimigo seja atacado (como o Iraque que não tinha as tais armas que o Bush filho propagou). Todavia, agora, nenhuma dessas duas ações me parece fazer sentido, e é preciso tomar bastante cuidado com ameaças tão diretas e consistentes assim. Por enquanto ficamos nisso, mas procuraremos manter nossos leitores informados a medida que acharmos necessário.

PS.: as autoridades norte-coreanas negam estar envolvidas no caso.

Warning

We will clearly show it to you at the very time and places ‘The Interview’ be shown, including the premiere, how bitter fate those who seek fun in terror should be doomed to.
Soon all the world will see what an awful movie Sony Pictures Entertainment has made.
The world will be full of fear.
Remember the 11th of September 2001.
We recommend you to keep yourself distant from the places at that time.
(If your house is nearby, you’d better leave.)
Whatever comes in the coming days is called by the greed of Sony Pictures Entertainment.
All the world will denounce the SONY.

 

FONTE: Variety.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.