Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Sua esposa descobre que está grávida e de uma menina! A tão sonhada princesa da família é aguardada com todo o rigor que a sociedade tradicional exige, inclusive com direito a quarto rosa e bonecas.

Então nasce Ryland, uma bebê perfeita e um sonho para muitos casais. Porém, alguns meses após o nascimento, se descobre que sua linda menininha é surda, então, como todo e qualquer casal de pais dedicados, se faz o possível e o impossível para que sua filha tenha uma vida normal e após buscar ajuda, os pais acreditavam que tinha resolvido e superado a maior desafio que poderia acontecer com sua amada pequena.

Depois da implantação do ouvido biônico e do longo tratamento para a surdez, Ryland consegue finalmente ouvir e falar as suas primeiras palavras e frases. Mais uma vez são surpreendidos por um nova situação, onde a pequena Ryland tinha algo a mais para compartilhar com seus amados pais, e assim que pode gritou: “Eu sou um garoto!”.

Acompanhamento: Fast Food Entrevista: Sofia, a Travesti Reflexiva
Tira-gosto: Bell Nuntita
Sobremesa: Conchita: o fenômeno, a bandeira, o sucesso

O tempo passa o casal começam a perceber que Ryland tem aversão a brinquedos e roupas femininas, preferindo sempre os “tradicionais de moleque”, não entendendo muito bem o que estava acontecendo, aceitaram.

Após perceber que este comportamento cada vez mais estava controverso ao estereótipo feminino, alguns chegaram a afirmar que era só uma fase, mas todos sabem que “fases” acabam e em Ryland aquilo ficava cada vez mais forte. Uma atitude precisava ser tomada. Cada dia que passava, ela sentia cada vez mais vergonha de si, chegando a afirmar em dado momento: “Quando minha família morrer, vou cortar meu cabelo e ai sim poderei ser um menino.”

Viram em seus pequenos olhos um angústia de cortar o coração, e apesar de seus poucos 5 anos ela precisava ser ouvida, pois algo maior que uma simples fase estava acontecendo com aquela criança.

Buscaram ajuda de vários psicólogos e psiquiatras para tentar entender Ryland e no fim veio a grande constatação: Ryland tinha um cérebro de menino preso em um corpo de menina, ou seja, descobriram que “ela” na verdade era “ele”. Uma criança transgênero! Ele é binário, ou seja, que transita entre o que a sociedade define como homem e mulher, no caso dele, homem.

Muitas pesquisas foram feitas, mas foi um dado estatístico perturbador que chamou mais a atenção: 41% dos transexuais cometem suicídio em decorrência da não aceitação da sociedade, principalmente da família. Pra não correr o risco dela ser mais um número, uma decisão estava a ser tomada. Então, para o bem-estar de Ryland, foram aconselhados a fazer uma transição de gênero o mais rápido possível.

O Cabelo dele foi cortado, o guarda roupa trocado e, principalmente, os pronomes precisavam ser alterados, pois a partir daquele momento não era mais “ela” e sim “ele”, a princesa tinha que ser o Príncipe Ryland daqui pra frente. O quarto também foi remodelado, familiares e amigos foram comunicados e esclarecidos via carta da necessária mudança que Ryland estava passando. Consequentemente alguns se afastaram, mas os que realmente interessavam ficaram.

Com este caso foi descoberto que crianças já sabem seu “verdadeiro gênero” entre 3 e 5 anos de idade, e esta identidade de gênero simplesmente não é causada pelo estilo de criação dos pais, estrutura familiar ou fatores ambientais, muito menos biológicos, pois sexo diferente de gênero que difere de sexualidade.

Seus país complementam esta vitória com seguinte pensamento:

Em relação a muitas coisas terríveis que pais do mundo todo passam com seus filhos, isso não é nada

Ryland é um garoto saudável, lindo, extremamente feliz e acima de tudo, tem o amor imensurável de seus pais.

Direitos são conquistados apenas por aqueles que são ouvidos. (Harvey Milk)

A esperança dos pais de Ryland é que suas vozes sejam ouvidas e que o mundo vire um lugar mais aceitável para ele e toda a comunidade LGBT.

 

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.