Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Mano, mano, mano, esse povo tem o que na cabeça além de merda? Tudo começou com o fato da presidenta da Lucasfilm declarando que não é obrigada a atender as demandas de fãs machistas e racistas PONTO. Isso aconteceu semana passada, se não me engano. Depois surgiu a informação, essa correu os noticiários estadunidenses, de que um dos roteiristas mudou um detalhe no filme para cutucar a agenda xonofóbica de Donald Trump, recém eleito presidente daquele país.

Os homens brancos nerds preconceituosos votantes daquela pessoa ficaram possuídos pelo ritmo ragatanga e começaram a xingar muito no Twitter! E tem hashtag: #DumpStarWars:

Gente, tadinho, as pessoas odeiam o homem branco cis hétero padrãozinho, chorei :'(.

Como recordar é viver, é bom lembrar que o Episódio VII também passou por isso pelo fato de ser protagonizado por uma mulher e um homem preto, o boicote funcionou? CLARO! Tanto que O Despertar da Força é um dos três filmes da história do cinema a ultrapassar a casa dos 2 bilhões de dólares em bilheteria no mundo todo, quebrando vários recordes de velocidade na obtenção dos valores e de público, ficando atrás apenas de Avatar e Titanic. Veja que relevantes essas pessoas são em números:

starwarsviibilheteria00

Ocorre que Rogue One tem ainda mais protagonismo, pois além de trazer uma mulher na frente de tudo, vem com uma série de excelentes atores de diversas etnias junto com ela, com destaque para o mexicano Diego Luna, o fantástico artista marcial chinês Donnie Yen, o incontestável ator preto Forest Whitaker, o inglês com descendência árabe e novo talento Riz Ahmed e o sempre fantástico dinamarquês Mads Mikkelsen

E aí tem essa pessoa aqui:

Deixem a política fora dos filmes? Meu amigo, você está assistindo Star Wars errado! Pede pra alguém te ensinar a assistir porque vai ser necessário, já que não há nada mais claro na saga do que a política. A começar que é uma disputa entre Aliança Rebelde e o Império, hahaha. Existe um exército, existe Senado, existem lideranças diversas, existem modalidades de governos diversas. Não, não, não…

Vocês querem boicotar o filme? Tudo bem, boicotem (muito embora a gente saiba que vocês vão assistir quietinhos e vibrar), mas parem com essa coisa de acreditar em racismo reverso, isso não existe, isso é absurdo, branco nunca foi segregado, nunca sofreu preconceito por ser branco, pela cor da sua pele, nunca foi tratado como inferior e escravizado. E homem nunca sofreu preconceito por ser homem, nunca apanhou por ser homem, nunca teve que vestir roupas diferentes por ser homem, nunca teve que voltar pra casa mais cedo por ser homem… Sério mesmo, parem com isso, é feio. É ridículo. É risível. E outra: dizer que o filme é anti “americano”, GENTE! A naçãozinha invasora dominante do mundo reclamando sofrência? (E é estadunidense, tá, americano eu também sou).

Não é agenda do “politicamente correto”, essas coisas sempre foram as certas a serem feitas, elas devem ser inclusive ampliadas; Rogue One, por exemplo, ainda carece de mais mulheres em papeis principais em seu elenco. Onde é que tem mulher preta, a propósito?

Vocês não têm mais chancela pra xingar as pessoas como antes tinham sem ouvir que isso não é legal (e nem nunca foi), vocês não têm chancela pra fazer seus filmes, séries, publicidades, piadas… machistas sem ouvir que isso é errado, vocês não têm mais chancela para serem racistas em suas empresas e não atenderem pessoas pretas sem sofrer um protesto. As pessoas cansaram, e elas, chamadas de “minorias”, são maioria e querem respeito.

Além disso: elas querem se enxergar nos filmes em papeis centrais, elas querem ser heroínas brancas, heroínas pretas, heróis pretos, heróis asiáticos, heroínas trans, heróis gays…  Coisa que homens brancos héteros sempre tiveram.

E pra finalizar a treta de Rogue One:

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.