Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Parece que marketing/publicidade bons ultimamente estão passando de deficitário no mundo. Temos aí a Mulher Maravilha sendo considerada o melhor filme baseado em herói/heroína já feito, e a publicidade, além de inferior a outros filmes do gênero, também teve problemas do tipo que Red Shoes nos traz aqui.

Entrada: Mulher Maravilha: marketing está sendo feito em produtos diet da “thinkThin”

Muita gente questionando se o que ocorre faz parte do contexto do filme, se dentro da história o banner faz sentido, mas a verdade é que não tem como salvar essa história. Tendo contexto ou não, isolado assim, o banner é gordofóbico, repressor, machista, padronizador… Enfim: discriminador.

E se alguém ainda acha plausível considerar que é possível relevar essa “grande ideia” dentro de um contexto, Chloë Grace Moretz, dubladora protagonista da animação Red Shoes & the 7 Dwarfs, não curtiu nadinha a história. Moretz, que é conhecida por sua posição clara de militância feminista, disse que o trabalho não passou por ela e nem pela equipe dela, além disso pediu desculpas a qualquer pessoa que tenha se sentido ofendida (1)(2)(3):

I have now fully reviewed the mkting for Red Shoes, I am just as appalled and angry as everyone else, this wasn’t approved by me or my team.

Pls know I have let the producers of the film know. I lent my voice to a beautiful script that I hope you will all see in its entirety. The actual story is powerful for young women and resonated with me, I am sorry for the offense caused that was behind my creative control.

Mesmo caso da Mulher Maravilha sendo patrocinada pela thinkThin só que muito mais explicito e nocivo. Há meninas gordas de todas as idades que vão ao cinema (ou supermercado/farmácias, no caso da MM), mesmo que de passagem, e vão se deparar com essas situações. Esses trabalhos de pessoas que ignoram seu público geram uma série de consequências, como depressão, como distúrbios alimentares, e aí podemos ver acontecer anorexia, pode ser que a pessoa entre numa compulsão alimentar com a depressão… E pode ser que a pessoa se mate, bacana, né?

Ser magra/magro não é sinônimo de beleza ou saúde, e ser gordo não é sinônimo de doença também. Ainda sobre beleza: somos bombardeados por mensagens envolvidas de um ponto a outro por padrões e esses construtos sociais nos levam a determinados conceitos do que é bonito ou não. Conceitos esses que servem a toda uma indústria diversa, mas que são tidos como naturais pela maioria de nós.

Não é de forma nenhuma errado que tenhamos preferências, mas dizer que uma pessoa gorda é feia (como o material do filme diz) ou que uma pessoa magra é feia (algo mais raro), pelo simples fato de ela ser assim, é errado, é discriminação, e como frequentemente pessoas gordas são as que mais sofrem nesse sentido, há um termo: gordofobia.

De gerações pra cá o conceito de que ser gordo é errado está cada vez mais impregnado em nós, e muitas vezes a pessoa gorda pode até estar mais saudável que as pessoas magras que a cercam, mas o fato de ela não estar dentro do padrão de beleza aceitável faz com que ela seja creditada como doente e muitas vezes feia (quando não soltam a clássica frase “Mas você tem um rosto tão lindo!”). E situações como essas só pioram as coisas, especialmente para meninas mais novas que, infelizmente, são o público alvo central desse filme.

Se o banner vai ser retirado dos lugares em que estava eu não sei, acho que sim, mas quantas menininhas gordas não viram ele antes disso e voltaram pra casa chorando por supostamente serem feias? E as pré-adolescentes que já sofrem uma chuva de bullying na escola sem isso? É absurdo que tenha ocorrido quando temos aí filmes como Shrek, que não é perfeito, todavia vem tentando quebrar paradigmas desse tipo há anos (diferentes corpos, diferentes padrões, diferentes etnias/raças…). Essas pessoas sequer olham pros produtos concorrentes? É inacreditável.

E não sei se gostei do trailer da Locus Animation também, desconsiderando supostos contextos. Bastante problemático. Menina gorda não pode ser princesa, tem que se esconder? Segurar a respiração? Vai ser difícil achar essa história boa, hein, Chloë, só dizendo. E esses duendes hiperssexualizando ela magra e expressando estranheza com o fato de ela se revelar gorda? VAI SER DIFÍCIL, HEIN, CHLOË.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.