Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


O produtor e ator Adi Shankar, que ressuscitou Dredd e trouxe de volta o juiz como ele deveria ser, parece estar muito empenhado em gastar sua grana realizando projetos que vislumbrem tudo aquilo que ele gostaria de ver na reconstrução dos ícones de cultura pop da sua infância. E é assim que ele explica porque fez o curta metragem Power/Rangers, que traz os heróis numa formatação bem mais realista do que a empregada nos tokusatsus, bem mais adulta, com direção, fotografia, efeitos e roteiro competentes, e atores de bastante qualidade para os papéis dos Rangers e dos vilões. É uma pena que possivelmente o projeto dele não vá pra frente, não seja financiado para além disso, e que no máximo vire uma minissérie (já seria ótimo), porque seria muito legal ver isso sendo transportado para o cinema.

Infelizmente ou não, os morfadores são ligados a crianças, à infância, e toná-los realistas “estragaria” a imagem criada pela Saban, e sinceramente eu nem sei como eles autorizaram que o cara fizesse essa homenagem (talvez tirem do ar em breve), pois temos aqui cenas de sexo a três, Zack cheirando cocaína e um triângulo amoroso entre Jason, Kimberly e Tommy. Além, é claro, de muita violência gráfica, com tiros por todos os lados, sangue espirrando na tela e cabeças sendo baleadas a torto e a direito. É ou não é tudo aquilo que você sempre quis para um filme de ação? Só que incluindo os Power Rangers! FUCKING FODA.

A direção e roteiro do curta é de Joseph Kahn, que já dirigiu os filmes Fúria em Duas Rodas e Pânico na Escola, além de diversos clipes de músicos como Britney Spears, Enrique Iglesias e 50 Cent; co-roteirizam com ele James Van der Beek e Dutch Southern; Katee Sackhoff é Kimberly/Ranger Rosa; James Van der Beek também atua e é o vilão Rocky; Russ Bain é Tommy/Ranger Verde; Gichi Gamba vem como Zack/Ranger Preto; Yves Bright nos traz Billy/Ranger Azul; Stevin Knight é Jason/Ranger Vermelho; Camilla Lim é Trina/Ranger Amarela; e Carla Perez (não a do Tchan) é a Rita Repulsa. Confira abaixo esse excelente trabalho e também a entrevista com o produtor Adi Shankar:

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.