Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


As vezes avaliar a administração de sua cidade pode ser uma tarefa mais simples do que você possa imaginar, bem como a educação do povo que ali reside.

A qualidade de vida está nos pequenos detalhes e foi pensando nisso, ontem, que tive a ideia de fazer esse post.

Há tempos que eu e o Tiago batemos papo sobre as paradas seguras do “querido” prefeito de Porto Alegre, Fortunati. Não existe coisa mais feia e feita “nas coxas” do que essas tais paradas seguras.

Com a desculpa de segurança ele gastou o mínimo, mas no papel não deve ter saído muito barato e essas paradas feitas de ferro com teto de zinco não vão durar nada. Podem esperar para tudo começar a enferrujar e cair; isso vai acontecer na administração dele? Claro que não.

Se o próximo prefeito de Porto Alegre não quiser receber essa herança do Fortuna, vai ter que trocar todas as paradas e gastar mais dinheiro público. Se ele fizer vai ser problema, se não fizer o problema pode ser maior ainda.

Refletindo sobre Porto Alegre resolvi buscar imagens das paradas de ônibus pelo país e descobrir se o problema acontece só aqui.

Não peguei todos os estados do nordeste e nem do norte, me estenderia muito (já tive problemas pra fazer o que fiz), mas peguei como base algumas das principais capitais. Fato é que Porto Alegre, se comparada com as capitais do sul e do sudeste, é a única que tem condições tão precárias quanto as capitais do norte e do nordeste.

As situações de Fortaleza e Belém são impressionantes, em Fortaleza, por exemplo, 75% das paradas são descobertas, isso mesmo, nada de teto; em Belém a situação é similar.

Em Manaus, o que era pra ser bonito virou uma grande merda, paradas feitas com telhas ecológicas desmoronam a todo instante sem a devida manutenção e quem paga é o povo.

Em Maceió, mais de 500 paradas também estão sem teto e além disso são poucas as que dão condições adequadas a pessoas com necessidades especiais. Esse último item é quase que geral no país.

Curitiba, que trás as melhores condições de administrações anteriores, tem sofrido nas mãos do novo prefeito, que, por exemplo, sacou o ar condicionado de todos os ônibus e as paradas, no verão, viram fornos; não tem sistema de ventilação. Adendo: ele é partidário do Fortuna.

São Paulo e Rio parecem estar em um outro país.

Em tempo: é usual a falta de assento/bancos nas paradas dessas cidades que se fodem para o povo (oi, Porto Alegre!), idosos, gravidas, deficientes… Que se foda, a gente bota um ferro ali pra escorar a bunda e tá ótimo. Ou nem isso.

Em tempo 2: não podemos esquecer que as melhores condições são encontradas em bairros ricos, os pobres geralmente são esquecidos e poucas são as paradas de ônibus que possuem o básico teto. Isso valendo para qualquer uma das cidades analisadas.

Depois reclamam quando o povo, cansado, quebra tudo. Abaixo as galerias de fotos de boa parte das capitais do país:

 

PORTO ALEGRE

 

FLORIPA

 

CURITIBA

 

SÃO PAULO

 

RIO

 

BH

 

GOIÂNIA

 

BRASILIA

 

VITÓRIA

 

CAMPO GRANDE

 

CUIABÁ

 

SALVADOR

 

RECIFE

 

FORTALEZA

 

BELÉM

 

MACEIÓ

 

MANAUS

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.