Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Cheguei em Porto Alegre em 2005, e um dos pré-requisitos para quem aportava por aqui era visitar o Club NEO, antigo Fim de Século. O local recebia a cena eletrônica da cidade como nenhum outro e era, literalmente, underground.

Três pisos abaixo do nível da rua estremeciam com duas pistas e três bares, o NEO era algo como que saído de um filme B da europa oriental, tinha um charme próprio, e não havia uma vez que você pisasse naquele local que não fosse surpreendido ou que surpreendesse.

Desde a enorme fila da entrada, que começava a crescer duas horas antes de cada festa, o NEO já te abduzia, era uma sensação ímpar, de contágio, e muitas vezes as pessoas nem conseguiam passar dela. Conseguir entrar, olhar no parapeito do mezanino e ver o clima da pista logo abaixo, descer o primeiro vão de largas escadas, pegar a primeira cerveja, ou drink, e encontrar com C@C@ e/ou Drug nas primeiras CDJs era sensacional.

Sintetizadores enchiam o ambiente onde, enlouquecidas, as pessoas pulavam, dançavam, cantavam, beijavam (muitas vezes se comiam e se chupavam, sim, claro, por que não?), e, se prestassem atenção, poderiam ver Silvio Freitas, o dono daquela loucura toda, no seu cantinho de sempre.

Nota: eu apareço brevemente no vídeo abaixo.

Liberada a outra pista, o metal abraçava a galera, e a galera se abraçava e se pegava no vão de escadas que te levava até ela e vinha acompanhado de banquinhos tão populares quanto as duas pistas. Só quem habitou aquele trecho em alguma festa sabe. Era o vortex da NEO, o tempo parava e as regras deixavam de existir. Namoros acabavam, namoros começavam, amizades eram desfeitas, amizades eram construídas, muita coisa acontecia ali (tombos inclusive).

E aí, muito mais pelas moralidades de uma sociedade que insiste em cagar regras para tudo e todos, o Club NEO fechou, sem chances de reabertura, sem suspiros, culminando, ano passado, no falecimento de seu fundador. E eu posso dizer que me diverti muito em festas nesses 11 anos que já estou em Porto Alegre, mas nunca como me diverti naquele inferninho.

Portanto, pra mim, foi um tanto emocionante ver brotar de novo na minha frente aquele familiar logotipo da casa que me acolheu tão bem em tantas oportunidades, numa festa que contará, inclusive, com C@C@ e Drug:

O que?

NEO Resistance #1

Pista KEO (Beta) – GUITARS!
Rock, Indie, Crossover, Industrial, Hard Rock, New Metal, Screamo, Heavy Metal, Brit Rock, e o que mais tiver como base as tão amadas guitarras!

Pista SCAPE (V.2) – SYNTHS!
80s, 90s, Pop, Breakbeat, Synth Pop, Future Pop, Electro, EBM, Dubstep, Dance, Tunt Tunt, e o que mais tiver como base os sintetizadores! (pista abre 23h59)

Line Up:
– Barker
– C@C@
– Caroll VM
– Drug
– Flavia Drago
– Ultradark

Plus:
– Combo dose dupla a noite inteira
– Devassa Sunset dose dupla a noite inteira

Ingressos:
– R$20 confirmando presença no evento (até 01h)
– R$25 na hora (e após 01h)
– R$15 para quem apresentar um flyer da NEO (sim, os flyers antigos, que sabemos que tem um monte de gente que guardou)

Quando?

De sexta, 22/07/16, para sábado, 23/07/16, das 23h às 6h.

Onde?

94 Club Alternative, Av. Getúlio Vargas 94 – Porto Alegre/RS.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.