Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Um dos filmes que me surpreendeu positivamente em 2014 foi Maze Runner. Em meio a uma chuva de universos distópicos, como Jogos Vorazes, Enders Game e Divergente, o filme do labirinto foi o que mais me atraiu, não sei se porque, mesmo com detalhes bastante originais, ele me lembrava e muito de Cubo, filme de terror clássico que eu gosto muito, ou se porque a história me parecia melhor construída. Não existe nada de muito político/social no primeiro filme, como acontece, por exemplo, em Battle Royale e sua cópia Jogos Vorazes, mas em uma coisa Maze Runner se assemelha bastante com o filme japonês (mais até do que o seu plágio): os motivos do jogo não estão muito claros.

Os corredores e a corredora agora voltam para outra parte da história, que deve nos explicar um pouco mais da treta que envolve os jovens e porque eles são tão importantes para os outros sobreviventes do que parece ser um futuro pós-apocalíptico. Dessa vez, o labirinto são as ruas cobertas de areia das supostas antigas cidades, e Thomas e seus comandados fogem mais uma vez dos que aprisionaram eles. Confira o trailer legendado clicando no botão de play da imagem de destaque!

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.