Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


A natureza possui um equilíbrio delicado, cada animal e planta tem sua função no meio ambiente e cadeia alimentar, qualquer alteração neste sistema pode trazer prejuízos enormes. Foi o que aconteceu com os lobos e o ecossistema do parque estadunidense Yellowstone.

Uma das maiores observações da ciência dos últimos cinquenta anos é a descoberta de como a vida selvagem se espalha, a chamada “Cascata Trófica”. A cascata trófica é um processo ecológico que se inicia no topo da cadeia alimentar e se desenrola até a base dela. Um exemplo clássico é o que acontece no Parque Yellowstone dos E.U.A. Quando os lobos foram reintroduzidos ao parque em 1995, bem, todos sabem que os lobos matam várias espécies de animais, o que não havíamos reparado é que eles também dão vida a muitas outras espécies.

Acompanhamento: Arraias que Voam

Tira-gosto: Voltando ao início

Prato do dia: Novo Poder Canino

Antes dos lobos retornarem, que ficaram ausentes por 70 anos, o número de cervos e veados cresceu muito, pois não havia predadores no parque e apesar do esforço humano para controlar a população, eles reduziram a vegetação para quase nada, pastando e devastando.

Mas assim que os lobos chegaram, mesmo em número pequeno, já produziram um efeito impressionante neste habitat. Claro que ele mataram alguns cervos, mas não é este o ponto, muito mais significante é: Eles mudaram o comportamento dos cervos e veados.

Os cervos começaram a evitar regiões do parque aonde poderiam ser facilmente caçados, como os vales e os desfiladeiros e imediatamente esse locais começaram a se regenerar. Em algumas áreas, a altura das árvores quintuplicou em apenas 6 anos. O entorno dos vales rapidamente se tornaram florestas de choupo, salgueiros e choupos-do-canadá, e assim que isso aconteceu, os pássaros começaram a aparecer, e o número de canoros e espécies migratórias cresceu. O número de castores também começou a aumentar, pois eles gostam de comer árvores, e assim como os lobos, são “engenheiros do ecossistema”. Eles criaram nichos para outras espécies, criando represas nos rios que produzem o habitat ideal para lontras, ratos-almiscareiros, patos, peixes, répteis e anfíbios.

Os lobos matam coiotes, e como resultado disso, o número de coelhos e camundongos aumentou, o que atraiu mais falcões, mais doninhas, mais raposas, mais texugos. Os corvos e as águias-de-cabeça-branca começaram a descer para se alimentar dos restos que eles deixavam. Os ursos se alimentam também disso, e sua população começou a crescer, pois não são apenas carnívoros, mas comem também das frutinhas que nascem nas árvores, e são um reforço ao impacto dos lobos, matando alguns filhotes de cervo.

Mas aqui a coisa fica realmente mais interessante: Os lobos mudaram o comportamento dos rios! Começaram a desviar menos, pois havia menos erosão, os canais se estreitaram, mais piscinas naturais foram formadas, mas cascatas, tudo isso contribuindo para a vida selvagem. Estes rios mudaram em resposta aos lobos. E a razão é: Por causa da regeneração das florestas, os rios puderam seguir o seu curso com mais fluidez e estabilidade.

Portanto, os lobos, mesmo pequenos em número, transformaram não apenas o ecossistema do Parque Yellowstone, que é uma área bem grande, mas também a sua geografia física e paisagem natural.

Como Lobos Mudam Rios

Produção: Sustainable Man
Narração: George Monbiot
Imagens: Tom Dowser, Sam Price Waldman, Chaley Voorhis, Fishing 4, Greater Yellowstone Coalition, Roadtrippers e Video Blocks
Música: Chris Zabriskie

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.