Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


    A primeira vez que vi essa coisa eu pensei: “MEO DEOS!”, depois eu comecei a ter um pouco de nojo misturado a essa exaltação, porque, convenhamos, é estranho demais. E daí fiquei pensando como é que atingiram um produto com essa consistência, que diz ter 98% de areia e promete nunca secar, além de não não se unir com partículas de poeira, ser anti-micróbios, não tóxico, ser anti-alérgico E NÃO FAZER BAGUNÇA. Claro que eu precisava saber do que é feito e como é feito, e a explicação de ser “98% areia e 2% mágica” não me satisfez.

    Fui atrás e descobri que (deixando claro que sou péssimo em química) o produto da “Waba Fun” tem outros nomes populares, são eles: magic sand, moon sand, mars sand, space sand, sqand e aqua sand, todos chegando num mesmo fim, areia simples de praia que é ligada com componentes “hidrofóbicos” levando a essa reação a la “massinha de modelar” quando é exposta a água, já que a água unida aos componentes, mais a areia, gera esse efeito em que o material só se mistura a ele mesmo.

    A “Waba Fun” vende a sua areia mágica em sacos de 1kg e 5kg, além de vender também ferramentas para ajudar na brincadeira, como baldinhos, forminhas diversas em vários formatos, ou até mesmo kits onde você compra a areia e os equipamentos. Segundo consta, a areia é aprovada pelos órgãos responsáveis australianos, resta saber quando é que isso vai chegar por aqui e se vai ser aprovado, pois com certeza vai acabar virando uma praga por estas bandas. Eu compraria, e você?

    PS.: existem receitas caseiras para atingir o resultado do produto, não vou aconselhar nenhuma por não saber quais são as consequências que essas misturas podem trazer, mas fique à vontade para procurar por sua conta e risco. De qualquer forma eu garanto que não deve ficar igual. É possível encontrar alguns dos produtos citados no Mercado Livre, mas eu repito: não sei se existe aprovação dele por aqui, e o mercado brasileiro é bem rígido/protecionista, e em geral tem seus motivos para não deixar qualquer coisa ser vendida.

    Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.