Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


É inegável a grande evolução que jogos indie tiveram nos últimos anos, tanto que o termo “Jogo Independente” hoje em dia é muito mais valorizado e muitas vezes sendo sinônimo de qualidade e inovação em jogabilidade, dada a liberdade que as empresas tem de criarem. Jotun é mais um excelente exemplo disso: ótima jogabilidade, lindos gráficos e uma boa história baseada na mitologia nórdica vão te fazer gostar e valorizar ainda mais as pequenas desenvolvedoras.

Enredo:

Jotun é um jogo de ação e exploração isométrico baseado na mitologia nórdica desenvolvido e publicado pela Thunder Lothus Games, lançado em 29 de Setembro de 2015. Nele jogamos com Thora, uma guerreira nórdica que teve uma morte não-honrosa, e agora precisa derrotar os Jotuns para provar seu valor aos deuses e ascender ao Valhalla. Isso é algo que pode ser visto em qualquer obra de mitologia nórdica (vide o seriado Vikings) em que é desonra para um(a) guerreiro(a) ter uma morte que não seja na batalha, em nome de Odin. Durante a aventura Thora vai contado a história dela e de sua família, como ele recebeu seu machado e as aventuras que teve antes de sua morte e sua missão de provar seu valor aos deuses e neste momento que começamos e ter empatia pela personagem.

jotunscreen2

Enredo: 75_pontos

Jogabilidade:

Começamos o jogo com um pequeno monologo e ilustrações animadas contando a morte de Thora e logo começamos nossa aventura. Não há tutoriais nem explicações de como o jogo funciona, tendo o jogador descobrir por si mesmo, o que acaba fazendo parte da experiência do jogo como um todo.

Nossa heroína pode correr, se esquivar, dar uma sequência de dois ataques com seu machado, usar um ataque carregado que demora algo entre 2 e 3 segundos para realizar e usar magias.. Os comandos em geral respondem bem, mas é interessante o jogador estar preparado para a velocidade dos ataques dela que é menor do que a maioria dos jogos do estilo, o que na verdade faz bastante sentido, afinal, ela usa um machado de duas mãos para lutar. As magias vamos encontrando enquanto exploramos as fases. Recebemos duas cargas de cada magia que quando zerados, só voltam caso o personagem morra ou encontre uma fonte curativa, que só pode ser ativada uma vez. Das magias temos de cura, mais dano, velocidade aumentada, entre outras. Não temos equipamentos para serem destravados e a personagem não melhora status. Os únicos bônus que temos são maçãs douradas que aumentam nossa vida, e caso encontrarmos alguma magia que já temos, ganhamos uma carga adicional.

Enquanto exploramos, admiramos paisagens e tentamos já ir resolvendo os puzzles que vão aparecendo nos perguntamos: cade as batalhas? Bem, virtualmente nossos únicos oponentes são só os Jotun, mas ocasionalmente poderá aparecer outras criaturas para lutar contra, porém estes fazem parte do puzzle da fase, estes que são completamente diferentes uma da outra. Não entrarei em detalhes sobre isto para não dar spoiler, já que por se tratar de um jogo de exploração (o que você fará bastante ao jogar) isso seria tirar parte da experiência que ele proporciona. As fases são grandes e pode ser comum demorar para encontrar o objetivo do quebra-cabeça, o que pode deixar o jogo monótono por alguns instantes.

Chegando em cada Jotun, ele deverá estar em outra forma ou apenas em repouso, sendo que é preciso despertá-lo para a luta começar. Eles funcionam basicamente como qualquer chefe de qualquer jogo do estilo: uma barra de vida gigante, três níveis de combate que são “ativados” conforme a vida do Jotun vai descendo. Estes níveis variam dos ataques que eles lançam, modificações no cenário, dentre outras.

Jotun-Frost-Giant

Jogabilidade: 90_pontos

Dificuldade:

Jotun não é um jogo difícil, mas exige paciência do jogador para entender como funciona. As fases são grandes e é bem possível que você se perca de veze em quando para resolver algum quebra-cabeça, ou demore para entender com funciona, pois o jogo não te diz nada. As batalhas contra os chefes ficam cada vezes mais difíceis conforme você vai avançando, e com certeza o jogador morrerá várias vezes até entender como o chefe se comporta, como ele ataca em certo nível de vida e como você deve utilizar suas magias para passar deles. Cada Jotun luta de maneira totalmente diferente do seu antecessor, então é impossível estar sempre pronto para ele na primeira vez. Ou você joga com cautela, ou vai ter que recomeçar a batalha algumas vezes.

Dificuldade: 90_pontos

Visual:

Conforme começamos a explorar o mundo, vamos tendo a noção da grandiosidade dele. Logo no começo o jogo faz um jogo de câmera para se afastar da personagem e mostrar ao fundo toda a região que ela está, o que dá uma sensação de grandiosidade do mundo incrível. Este efeito ocorre mais vezes durante o jogo em locais específicos, e a cada uma delas não se surpreenda de ficar de boca aberta com a beleza do desenho feito. Falando em desenho, sim, o jogo é todo feito com estilo de desenho a mão, diferenciando os personagens e pontos importantes apenas com um contorno mais forte. Este estilo de desenho é algo bastante utilizado por jogos indies, mas é muito legal em ver com ele foi bem feito em Jotun, dando vida aos personagens e aos cenários.

Jotun-Vethrfolnir

Visual: 100_pontos

Som:

Tanta beleza visual é acentuada pela trilha sonora e a dublagem que o jogo recebeu. Thora e a voz de Odin (que fala com você as vezes) falam em Islandês, o que da imersão ainda maior para o jogo. Mas fique tranquilo que o jogo é todo legendado e com menus em português.
As músicas em geral são orquestradas e se misturam muito bem ao som do ambiente, sendo possível ouvir perfeitamente cada som. Nas batalhas contra os Jotun a música se torna mais forte, imponente (e porque não) épica, para dar o tom de urgência, perigo e importância da ocasião em questão. O som do machado de Thora acertando algo, passos e outros efeitos assim são convincentes e mantém uma boa imersão.

Som: 100_pontos

Conclusão:

No geral, Jotun é uma excelente experiência aos olhos pela beleza dos cenários, aos ouvidos pela trilha sonora e a excelente dublagem, e bastante divertido e desafiador com seus quebra-cabeças e batalhas épicas, como todo bom jogo deve ser. Ele pega muito bem os elementos da mitologia nórdica e fala muito deles, sejam dos deuses ou os seres que permeiam o panteão liderado por Odin. Você pode comprar este jogo com nossos amigos da Nuuvem pela bagatela de R$ 27,99 e ativá-lo em sua conta Steam.

Para ser notificado sobre nossos vídeos se inscreva no nosso canal do YouTube.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

Jotun: prove seu valor aos deuses
Quantos pratos de kokta grönsaker vale esse jogo?
Enredo:7.5
Jogabilidade:9
Dificuldade:9
Visual:10
Som:10
PRÓS:
  • Arte, trilha sonora e dublagem maravilhosas;
  • Elementos da mitologia muito bem utilizados;
  • Jogabilidade responsível e fácil de aprender.
CONTRAS:
  • Combate lento comparado a outros do estilo;
  • Falta de mais animações para enriquecer o enredo;
  • Fases grandes podem deixar o jogo monótono em alguns momentos.
9.1Nota
Nota do Leitor: (0 Votes)
0.0