Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Vejo muitas pessoas usando expressões como: “ensinar a pescar”, “falta de pegar numa enxada”, “trabalhar ninguém quer”… E tantas outras. Todavia, o que essas pessoas não conseguem enxergar é que a coisa não é tão simples assim, e que bom se fosse só ensinar a pescar, ou resolver: “Hoje eu vou trabalhar e mudar minha vida”.

Sempre que alguém me sugere uma situação como essa eu penso na seguinte cena: um morador de rua, negro, vestindo roupas esfarrapadas, fedendo, mal dormido, sem condições de mudar nenhum desses aspectos; ele chega na porta da sua casa “munido” com uma enxada, material cortante com um bastão preso a ele, e te pede trabalho, te pede para capinar, te pede para exercer a única função que pode mudar a vida dele.

E aí vem as perguntas:

  1. Quantas pessoas deixariam esse rapaz “pescar” em seus terrenos e mudar sua situação?
  2. Quais as chances de ele ser preso no meio do processo por portar a tal enxada?
  3. Quais as chances de ele ser confundido com alguém e ser linchado?
  4. Quais as chances de ele sofrer preconceito?
  5. Quais as chances de você pensar que ele vai pegar esse dinheiro para se drogar?

Eu nunca, depois dos meus tempos de criança, e, especialmente, depois de mudar para uma grande cidade, vi uma pessoa em situação de miséria tendo chance de mudar isso. Não adianta ensinar a pescar se no rio não tem peixe, e se no rio não tem peixe: o que custa mudar a situação dando esse peixe? Um desses casos são as bolsas de estimulo que o governo oferece, que estão longe de ser a melhor solução, mas ajudam, embora mesmo assim, pessoas que nunca passaram por uma situação em que não tiveram o que comer, se achem no direito de criticar.

E foi pensando um pouco nisso que a organização Lava Mae, em conjunto com a Google Impact Challenge, começou um projeto bacana na cidade de São Francisco, um ônibus chuveiro. Pode parecer, num primeiro momento, algo bobo e simples demais, mas o banho na vida de uma pessoa que talvez nunca tenha visto um chuveiro pela frente, pode mudar tudo. É um primeiro passo para uma mudança que precisa ser ainda maior, e precisa nos atingir também, pois podemos ser parte dela.

Abaixo um vídeo que explica resumidamente o projeto, a importância dele, e a absurda dificuldade de conseguir algo que para nós é tão simples, tão fácil, tão confortável. Já que nem todos os abrigos oferecem banho, e os que oferecem tem uma cota limitada. Essas pessoas precisam muito mais que trabalho e esforço, essas pessoas precisam de ajuda.

 

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.