Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Então, voltamos a mais um capítulo dessa adorável história do menino que vive na internet fazendo o que bem entende e, pelo que descobrimos, a família caga e anda. Caga e anda porque, entre 2011 e 2013, esse mesmo rapaz, hoje com 25 anos e maior de idade, sofreu um processo aqui em Porto Alegre por, adivinhem: assédio sexual e agressão, se foi verbal ou não eu não sei, mas está na internet pra quem quiser cavocar, este foi baixado porque foi constatada insanidade/esquizofrenia através de um laudo. Eu, pessoa mais desconfiada do mundo, acho que esses laudos podem ser até mesmo comprados, mas vendo esse menino na internet dá pra notar que aqui, nesse caso, parece que não (a não ser que ele tenha outro caso e engane bem, mas eu não sou psiquiatra, então…). No laudo, ao que consta, e um passarinho me contou, como ele não oferece risco no âmbito pessoal (e ele espertamente se gaba dizendo isso nos papos com as cosplayers), a preocupação com ele passou a ser nula, portanto, por isso, ele faz o que quer, também, na “rede mundial de computadores”.

Sobremesa: Um fatality no assédio: cosplayers são abordadas no inbox por Sub-Zero em Porto Alegre

Durante o desenrolar de todo caso, hoje com ele bloqueado no meu perfil pessoal, vi muita gente chamando o menino de louco, e sendo tão agressivos quanto ele é nos comentários das postagens que o denunciam, e foi muito por isso que não demos seguimento numa denúncia mais formal do caso, para não estimular psicofobia e preconceito linguístico, um dos mecanismos de opressão mais comuns na nossa sociedade, mas que ninguém dá a mínima (porque né, todo mundo letrado criticando a escrita do menino, contraproducente). E não, eu não estou falando das meninas assediadas, porque dá pra entender a revolta delas. O caso é que, ao que parece, quem o negligencia é a família, que deveria ter mais cuidado com o que ele faz e acompanhá-lo, não só pessoalmente, mas também virtualmente. Existem meios de fazer isso, existem ferramentas para se fazer isso, existem firewalls, existem keyloggers para monitoramento… Seu filho nasceu com uma condição e cabe a você arcar com as consequências e não quem está em volta. É duro, é difícil, a mãe está sozinha nisso? O outro filho ajuda? O pai ajuda? Ninguém sabe o que essa família passa, mas o que não pode é esse rapaz ficar assediando quem passa na frente com a chancela da família, simplesmente porque ele tem uma condição que faz com que ele não saiba definir bem certo e errado. Ele faz isso há pelo menos uma década.

Clique nas imagens para ampliar (O TEXTO CONTINUA APÓS A GALERIA):

É com bastante estranhamento, após tamanha repercussão do assédio anterior, que relato que NENHUMA produtora de Porto Alegre e região nos procurou atrás do nome dessa pessoa para bloqueá-la nos eventos, ou observá-la durante sua estada neles, haja vista que é uma pessoa portadora de necessidades especiais como qualquer outra. A única produtora que veio atrás de informações foi a Yamato, do Anime Friends, de São Paulo, demonstrando certa preocupação com as cosplayers que frequentam o local e colocando ele numa lista para observação caso venha comparecer no AF algum dia. Sim, nós temos o nome completo dele. Nós temos também o número do processo citado anteriormente. E não foi nada difícil de conseguir. Se as produtoras daqui alcançaram esses dados de alguma outra forma que não através de nós, que bom, pois o público de vocês está apreensivo, especialmente o feminino. Mesmo porque, como pode ser visto nos prints, ele se mostra bastante seguro de que VOCÊS não vão fazer absolutamente nada e que elas devem se acostumar com a presença dele. E se você é cosplayer: pressione os eventos para que garantam sua segurança!

Agora me volto a você, porque eu sei que você leu o post anterior aqui do “cafe cultural”: você não tem o direito de assediar pessoas, seus argumentos para fundamentar seus assédios são falhos, o fato de um gay achar uma pessoa bonita ou sentir tesão nela não faz dele um assediador só por isso, o fato de você invadir o inbox de uma menina e entrar, sem permissão, numa conversa íntima com ela faz de você um assediador, sente a diferença? Você é invasivo. E você não faz isso com uma pessoa, duas, três, você faz isso com várias (e a abordagem é sempre a mesma), mas não apenas isso, você parece, pelo teor dos seus vídeos, ter ódio de mulher, e muitas dessas cosplayers que você aborda não conhecem o seu canal no YouTube, senão elas estariam mais apavoradas ainda. Não, você não age por instinto, você não é um animal irracional, existe raciocínio aí. E fico pensando o que você faria com meninas que aceitassem os insistentes convites que você faz a elas para ir ao cinema, pois, ao recusá-los, você demonstra uma raiva absurda. Pense bem porque você tem sido bloqueado por todas elas. Será por quê? Você aparenta ter algum raciocínio lógico, como já disse, visto que após meu post anterior você sumiu do mapa, mas continuava dialogando amenidades por aí, então eu não estou dialogando com uma pessoa qualquer. E sim, mais umas denúncias e nós vamos reunir essas meninas e ir atrás de providências legais, a primeira delas vai ser registrar um BO na delegacia da mulher. Estou te dando o benefício da dúvida por tudo que já citei acima, eu não sei o que você e sua família passam, mas existe limite, e nós, como canal de mídia independente, coletivo social e de militância, vamos atrás do que aflige nosso público.

Continuando: considerando que não sabemos o que essa pessoa possa vir a fazer de fato, dessa vez vamos averiguar a possibilidade de fazer uma denúncia ao Google/YouTube do canal do rapaz para ver se tiramos aquilo do ar, pois, assim como o canal do Gustavo Guerra foi retirado, aquilo ali também precisa sair, pois o teor é tão grave quanto, mas pedimos a todas as nossas seguidoras, cosplayers ou não, e seguidores também, que denunciem o canal dele para que o YouTube possa atender mais rápido a demanda (não tratem os vídeo dele como piada como vem sendo feito há anos). Lá no tubo existem opções bem definidas para denunciar o teor dos vídeos como violentos. Façam o mesmo com o Facebook pessoal do rapaz, e para alinhar vamos fazer o seguinte: clique nos três pontinhos na capa do perfil dele e vá em “denunciar”, depois clique em “denunciar este perfil”, após vá em “essa pessoa está me incomodando”, e então “enviando mensagens de spam”. Infelizmente o Facebook não tem opções acertadas para o que queremos relatar aqui, mas é importante que todas as pessoas o denunciem da mesma forma pro perfil cair. Se as denúncias voltarem como recusadas por não violarem os termos e todo aquele blá, blá, blá, vocês coloquem a carinha de “não satisfeitos” e relatem, aí sim, que ele é um assediador no quadrinho que é disponibilizado. Quanto mais gente denunciando melhor, pois se a família não controla o que ele faz na internet, a gente tira ele dela. E se você ainda não sabe qual é o perfil dele, ou qual é o YouTube, mande um inbox na nossa página do Facebook que nós encaminhamos o endereço.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.