Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Cara, qualé o problema com… Opa, pera, você pode não ter visto, então saia já daqui. Mesmo eu demorei pra ver, saia logo daqui.

Continuando: qualé o problema com casamentos? Tá, eu tenho vários problemas com relação ao casamento, mas nenhum desses problemas seria resolvido com matança, ou com uma morte pontual. Machismo e tal, mas pra que matar tanta gente em casamentos? É Kill Bill essa porra?

O rei está morto, mortinho, roxo, fucking azul de morto. Sangue por todos os orifícios.

Um dos melhores episódios da série, sem lutas, sem ação, mas recheados de atuações fantásticas.

E aqui eu faço uma pausa para parabenizar Jack Gleeson, o ator que interpreta Joffrey. Jack é sabidamente uma das pessoas mais queridas dos bastidores, uma pessoa excelente. Mas quando ele bota a coroa, nossa, é outro. Ele é responsável por, na minha humilde opinião e de tantos outros avaliadores, uma das melhores atuações que eu já vi em seriados, ou até mesmo filmes.

O menino conseguiu atrair a ira do mundo inteiro, um personagem nojento, asqueroso, desprezível. Uma atuação ímpar, uma atuação para ficar na história. Um dos maiores vilões de todos os tempos, uma das melhores atuações de todos os tempos. E pasmem: Jack anunciou que aposentará da carreira de ator após o seriado. Eu posso entendê-lo, mas não vou compreendê-lo. Perderemos um excelente ator. Tomara que não.

Game of Thrones segue triunfante na sua trilha de sangue. Mas e agora, quem matou o rei? Tyrion, mais uma vez, tomará no cu de graça?

Eu não li os livros, aquelas enciclopédias Barsa, então, por favor, sem spoilers.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.