Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


A atacante da seleção estadunidense Alex Morgan fez história ao ser confirmada como a primeira mulher a aparecer na capa de um jogo de futebol, ela dividirá a capa do jogo em seu país com Lionel Messi, o garoto propaganda fixo dos jogos oficiais da FIFA.

World Cup champion @alexmorgan13 joins @leomessi on the #FIFA16USCover! #USNWT #FIFA16 #USA

A photo posted by EA SPORTS FIFA (@easportsfifa) on

Anteriormente, escolhida por votação do público, a zagueira australiana Steph Catley já havia aparecido nos materiais de divulgação do jogo.

fifa1601

 

É interessante notar que, apesar do acréscimo de mulheres nos jogos de futebol ser muito importante, ainda estamos absurdamente longe do ideal. Um dos pontos mais claros é que elas têm direito a participar do jogo defendendo somente suas seleções, enquanto que jogadores dos mais diversos cantos do mundo aparecem listados também nos seus clubes, como é o caso de Messi que defende o Barcelona. Me questiono, também, se teremos bandeirinhas e juízas mulheres, ou será que dirão que o lugar delas é na Playboy, como o fez um cartola de futebol de um certo país?

Outro detalhe que notei foi a ausência de jogadoras negras num esporte que é majoritariamente praticado por elas (e por eles, jogadores negros, também). Essa brancura toda não existe no futebol, nunca existiu, e tanto a primeira menina, da Austrália, quanto a segunda, dos Estados Unidos, são claras como a neve, obedecendo todos os padrões de beleza pregados diariamente. E pior, vem de países que sequer têm tradição no futebol. Se era pra escolher uma mulher branca, a alemã Birgit Prinz foi três vezes melhor jogadora do mundo, todavia ela não se encaixa no padrão. E aí me pergunto: onde estaria Marta Vieira da Silva, brasileira, negra, considerada melhor jogadora de futebol do mundo nos maiores prêmios (FIFA e Bola de Ouro, agora unificados) em 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010, tendo a maior sequência de premiações entre jogadoras e jogadores, e mais premiações importantes do que Messi tem? Não teria de ser ela, que inclusive joga nos Estados Unidos atualmente, a povoar as capas de jogos FIFA no mundo todo, assim como o argentino? Por que ele pode ser fixo e ela não?

Marta ainda foi terceiro lugar na Bola de Ouro de 2004 e 2013, e segundo lugar nas de 2005, 2011, 2012 e 2014. E mesmo Cristiane Rozeira de Souza Silva, brasileira, negra, com dois terceiros lugares na Bola de Ouro, tem mais representatividade no futebol feminino do que Morgan. É curioso notar que, ao acessar o site da desenvolvedora EA Sports voltado ao futebol feminino, pouco vemos as atletas negras. Na página em si elas estão escondidas e no trailer do jogo poucas aparecem, sendo que Marta, a mais importante jogadora de futebol feminino de todos os tempos, não é uma delas. Além disso, no trailer abaixo, não vemos uma jogadora asiática sequer, nem ao menos as seleções daqueles países são mostradas, sendo que, em 2011, o Japão levou o título mundial e teve a melhor jogadora. As relações de poder são claras, a falta de protagonismo étnico, também. Os padrões são descarados, e o machismo que essas atitudes escondem, também. Ter mulheres em FIFA 16 é um grande passo? Não, é só um passo. Se os erros vão ser corrigidos pelo menos com DLCs ninguém sabe.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.