Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Você fã, você que sabe o mínimo da história, você que já jogou algo com o personagem presente, você aí, acha que é possível um filme do personagem em questão na classificação “PG-13”? Eu não acho, na realidade eu acho impossível, é inconcebível, e não que eu seja o “hater” da tal classificação, pois recentemente tivemos bons trabalhos com a mesma, tipo “Godzilla” e “Robocop”, os dois não necessitaram da violência mais crua para se tornarem bons filmes. Mas esse não é o caso de “Deadpool”.

O problema de colocar o herói em “PG-13” é que não se trata só de violência física, mas também violência e humor verbal, a verborragia de “Deadpool” é uma constante, seu humor é carregado de sarcasmo, ironia, é como se um herói fosse construído por Tarantino ou Rob Zombie, pois ele usa palavrões como se fossem vírgulas. “Deadpool” em “PG-13” pode até se tornar um filme divertido, mas ficará ainda muito distante do que esperam os fãs.

Ah, os fãs, “Deadpool” é um herói que depende deles, não estamos falando dos populares “Wolverine” e “Spiderman” que se vendem sozinhos até pro molequinho de 3 anos, nós estamos falando de um herói do “segundo escalão”, coisa que “Iron Man” também era, e só conseguiu deixar de ser mediante o excelente trabalho da Marvel, que fez pouquíssimas cagadas com ele (maior parte delas contida no terceiro filme). A pedra no meio do caminho de “Deadpool” é que os direitos do personagem estão nas mãos da malfada Fox, que tem o “toque de merdas” do cinema, cagando em tudo que toca.

Claro, colocar um filme dentro da classificação “R-Rated” é problemático, temos exemplos recentes de prejuízo por conta da classificação, mas será mesmo que o problema foi a classificação? O filme de maior lucro dentro dela foi “Watchmen”, com 107mi de Dólares, mas trata-se de uma história muito mais complexa/filosófica do que a de “Deadpool”, muito menos conhecida, e um filme absurdamente extenso/cansativo (para quem não é fã isso é um problema absurdo), além de ter enfrentado problema de divulgação e distribuição. O mais recente fracasso da classificação é o recomeço de “Dredd”, que conseguiu apenas 13mi de Dólares, quase afundando a possibilidade de uma continuação do excelente filme, mas neste ficam ainda mais claras as falhas de distribuição e divulgação.

Então por que a falta de coragem em lançar um produto “R” na classificação adequada? Pra mim, sinceramente, é uma burrice sem tamanho, especialmente se considerarmos os ditos acima, “Deadpool” não é um produto para ser lançado em “PG-13”, não é algo que vá funcionar com o sustento de pré-adolescentes acompanhado dos pais, ele depende dos fãs, e isso pode incorrer na não continuidade dos filmes solo do herói, e nem sei se a Fox possibilitaria a entrada dele nos “X-Men” se houver insucesso. O mínimo que se esperava era um filme com classificação entre 16 – 18 anos. Pra encerrar, eu digo que o aconselhável é nunca confiar na Fox, pois eles podem te decepcionar antes mesmo de começar a fazer algo (como é o caso).

Em tempo: a história do PG-13 ainda é rumor, é melhor esperar confirmação. Ela foi retirada dos ditos abaixo e deve ser considerada com discrição, mas tudo indica que o filme se encaminha pra isso.

I heard from the director (Tim Miller) that they finally figured out the script, and it was right before this was announced, that they figured out, and you guys are all going to hate this, that they figured out how to make it PG-13 and therefore not lose its soul – that’s a quote – of the script so they can make it.

A info é do site: Schmoes Know.

ATUALIZAÇÃO:

E depois da chuva de posts sobre o assunto, conversa jogada no ar pelo site supracitado, eis que surge o roteirista para “desmentir” a história com um tweet:

Mas botem aspas nisso, porque ele só disse que não está decidido, ou seja: pode ser que sim, pode ser que não. Só tentou apagar o fogo, mas não conseguiu. Além disso não desconsiderem o fato de tudo isso ter sido combinado para testar o “humor” do “mercado” (que não curtiu nem um pouco).

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.