Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Muitas pessoas que começam a fazer cosplay se deparam, logo no início, com a seguinte questão: devo comprar meus cosplays da China? Devo pedir pra cosmaker ou costureira? Ou devo me enveredar pelo mundo complexo dos tecidos e tentar eu mesma ou eu mesmo fazer minha própria roupa? Bom, eu já passei pelas três experiências e vou lhes contar como foi ;).

Quando comecei a fazer cosplay, a minha primeira ideia foi comprar pela internet (saudades dólar baixo): comprei dois cosplays e ambos vieram lindos e rapidinho! Achei fantástico! As medidas estavam certinhas, cores como na referência e estavam bastante fiéis aos personagens. Fiquei fã e, um tempo depois, voltei a fazer um pedido. Para o terceiro cosplay, encomendei da mesma loja, além da roupa, a peruca e as botas. Também veio bem rápido e do tamanho certinho, porém, as cores do cosplay e das meias não eram muito parecidas com as da referência e as luvas eram tão pequenas que meus dedos não passavam! Tive que cortar a luva e costurar a mão. Deu certo até.

cosplaymochipime01

Resolvi tentar outra vez. Dessa vez, minha gente, o troço foi tenso: além de ser a minha primeira compra taxada (e essa a gente não esquece xD), o cosplay veio 3x maior, sendo que mandei minhas medidas. Os bootcovers vieram horríveis, mas usei mesmo assim, porque eu não sabia e nem tinha como fazer outros. Gastei com costureira para diminuir a roupa e ainda não me gostei nem um pouco no cosplay :/.

Então, pensei: bom, melhor pedir para uma cosmaker. A roupa ficou bem parecida, mas confesso que não gostei muito do resultado: a pessoa fez o cosplay em oxford (um tecido que desfia um monte) e não fez nenhum tipo de arremate nas costuras, deixou somente a costura reta. O que aconteceu? O cosplay abriu, pois desfiou e eu tive que costurar a mão, praticamente o cosplay inteiro, com medo de ficar sem durante o evento. Além disso, tive problemas com as meias, já que elas não passavam do tornozelo (e eram meias 7/8), pois a pessoa usou o sentido errado do tecido para fazê-las, o lado que não estica. Eu reclamei, mas se mandasse de volta, a roupa não ficaria pronta a tempo de usar no evento, então dei um jeito nas meias e aproveitei no eventocosplaymochipime02 mesmo assim. Porém, conheço pessoas que encontraram cosmakers e costureiras muito boas, que fazem as roupas no capricho. Então, vale a pena dar uma boa pesquisada e olhar os portfólios para ver se aquele profissional é o adequado para o que você quer fazer.

Continuando: depois dessa falta de sorte, resolvi eu mesma fazer as minhas roupas. A minha vó tinha uma máquina de costura que estava parada, daí eu a trouxe para minha casa e tentei aprender a mexer. Achei um manual de instruções na internet e fui futricando até aprender como ela funcionava. O meu primeiro projeto foi bem audacioso: a Kaga, de Kantai Collection. Foi um desafio escolher os tecidos, então optei pelo oxford (que, além de ter de vááááárias cores, era o único nome de tecido que eu sabia, fora cetim xD) e pelo oxfordine (porque eu falei pra moça da loja que eu queria algo um pouco mais leve) para o quimono. Além disso, revirei a internet atrás de um tutorial para o hakama (não, eu não podia fazer uma saia normal, tinha que ser um hakama logo de início! >.<). Acabei encontrando um bem bom no YouTube (tem tutoriais fantásticos lá!), que me ajudou um monte. Tá certo que passei um trabalho enorme para fazer a roupa e os props, mas eu amei o resultado!

cosplaymochipime03

Desde então, eu fiz todos os meus cosplays – tirando um que pedi para uma cosmaker fazer, por causa do molde mais difícil e, também, fiquei com medo do tecido não passar na minha máquina – e tenho sentido que venho aprimorando “minhas técnicas” aos poucos e isso me deixa muito feliz e orgulhosa de mim mesma.

Dessa maneira, a alternativa que mais me foi adequada foi justamente a mais trabalhosa: costurar meus próprios cosplays. Certamente, fico bastante tempo em cima de cada trabalho e pode ser bem desgastante (às vezes eu preciso refazer a mesma peça algumas vezes até ficar do jeito que eu quero), mas é altamente recompensador. Fora que sou muito curiosa, então aprender a fazer coisas novas é sempre muito bom! Mas o importante é o seguinte: independente da maneira que for, o que importa é que você se sinta feliz com o cosplay e se divirta sempre :D.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

  • Sandro Basso

    Gostei das dicas! Parabéns pela coluna!