Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


O Conexões Globais é um evento com entrada franca que ocorre anualmente em Porto Alegre, no evento desse ano, que acontece entre hoje e amanhã no Vila Flores, seis diálogos transitarão dentro de temas como cidades democráticas, a ocupação dos espaços urbanos e a importância, também, dos movimentos sociais em rede. Como é usual, o evento é transmitido online para que todos e todas tenham acesso, e esse ano nós faremos parte do grupo de retransmissores. Abaixo vocês encontram o vídeo, na sequência o mapa para quem pode ir ao local, e depois toda a programação com participantes e horários:

Quarto Distrito de Porto Alegre: um Polo da Economia Criativa e da Inovação Colaborativa (Dia 01/04 – 16h às 17h30)

Através de iniciativas partindo da cidadania, muitas pessoas têm pensado e desenvolvido polos de inovação colaborativa aplicados à cidade, capazes de produzir impacto econômico, social e urbano a partir de iniciativas confluentes de artistas, empreendedores e moradores. Um projeto coletivo e pioneiro no Rio Grande do Sul é o Quarto Distrito. Dentro da proposta de reconstrução deste parque urbano aberto de economia criativa, inovação e conhecimento, convivem em um mesmo território locais de trabalho, moradia, educação, espaços verdes e de lazer, patrimônio histórico e projetos como o Distrito Criativo.  Experiências colaborativas como estas são o ponto de partida para a mesa, que pretende discutir caminhos possíveis para uma revitalização das cidades que vá além da simples mudança estética, trazendo também a perspectiva de transformação profunda em nossas lógicas urbanas.

Participantes confirmados:

Jorge Piqué – Fundador da UrbsNova – Agência de Design Social. UrbsNova idealizou em 2013 o Polo Distrito C, como um projeto de inovação social e que hoje conta com mais de 80 locais de economia criativa, do conhecimento e da experiência.

João Wallig – empreendedor com vasta experiência na área comercial e de marketing. Atualmente seu maior envolvimento tem sido como mentor e articulador do projeto Vila Flores e do desenvolvimento do Quarto Distrito de Porto Alegre,no qual se insere o Distrito Criativo.

Tarson Núñez – analista pesquisador em Ciência Política na Fundação de Economia e Estatística do RS (FEE).

Ada Raquel Schwartz – professora e coordenadora de graduação em Arquitetura e Urbanismo na UNIFIN – Faculdade São Francisco de Assis. Arquiteta e urbanista na Secretaria de Urbanismo da Prefeitura de Porto Alegre (SMURB).

Walker Massa – Contabilista, administrador de empresas e especialista em Gestão de Pessoas, Walker Massa é o idealizador do Nós Coworking.

Webconferencista: 

Josep Piqué – @22 Barcelona. Vice-Presidente da Associação Internacional de Parques Científicos e Tecnológicos.

MEDIADOR

Cézar Augusto Busatto – Economista e Secretário de Coordenação Política e Governança Local da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Participação Social na era da Internet (Dia 01/04 – 18h às 19h30)

Muitas administrações públicas ao redor do mundo, estimuladas por especialistas e corporações de tecnologia da informação, têm perseguido a construção das chamadas cidades inteligentes (smart city). Apesar deste termo ter vários significados, seu aspecto central consiste no uso das tecnologias da informação e comunicação (TIC) para criar um ambiente inteligente centralizado que auxilie a gestão das cidades. Instalação de sensores de trânsito, controle por GPS do transporte público e semáforos e a instalação de câmeras de vigilância são aspectos já visíveis dessa movimentação. Neste diálogo, o esforço será para problematizar este conceito de gestão centralizada e controlada, aplicando sobre ele a perspectiva da construção de cidades democráticas (democratic city), governadas de baixo pra cima com participação social via internet, conectando as ruas e as redes digitais na gestão do bem comum. Para isso, conectaremos as principais experiências em curso no Brasil e no mundo, tendo como destaque a inovadora gestão da Prefeitura de Madri e Barcelona.

Paticipantes confirmados:

Webconferencista:

Pablo Soto Bravo – hacker espanhol, um dos pioneiros no desenvolvimento de programas P2P. Participou ativamente da revolta dos indignados espanhóis #15M de 2011. Atualmente é conselheiro de participação social em Madri, eleito pela confluência cidadã AhoraMadrid.

Renato Simões – Assessor Especial para Participação Social da Secretaria de Governo da Presidência da República

Fabricio Solagna – É pesquisador sobre Governança da Internet, doutorando em Sociologia pela UFRGS. Foi coordenador-executivo do Gabinete Digital do Rio Grande do Sul e consultor em metodologias de participação digital para a Presidência da República.

Mediador:

Mário Teza – Reconhecido ativista de Software Livre. Co-criador do Fórum internacional de Software Livre e do Projeto Software Livre Brasil. Fundador da Associação Software Livre.Org, dirigiu por três anos consecutivos a Campus Party Brasil e atualmente é o Presidente da Procempa (empresa de tecnologia da informação e comunicação da Prefeitura de Porto Alegre).

Brasil: Jornadas de Junho aos novos movimentos sociais em rede (Dia 01/04 – 20h às 21h30)

2013 ficará marcado como o ano em que o Brasil entra definitivamente na rota dos protestos sociais organizados a partir das redes sociais. As manifestações eclodiram sem lideranças definidas, sem a participação das organizações históricas e foram mobilizadas via internet, tomando de surpresa políticos, intelectuais e empresas de comunicação. De lá pra cá, novos movimentos com características tecnopolíticas comuns ganharam força e representatividade – entre eles, a #primaveradasmulheres, #ocupaescolasp e o retorno do #MPL, Movimento pelo Passe Livre. O que há de comum entre esses movimentos e os de 2013? Qual o papel dos movimentos sociais em rede nos rumos atuais e na renovação da política brasileira?

Participantes confirmados: 

Pablo Ortellado – professor do curso de Gestão de Políticas Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP).

Tiago Pimentel – Ativista dos grupos Actantes e Interagentes. Analista de redes, trabalha com a cartografia dos protestos.

Fabio Malini – professor de Comunicação e coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Cientista de dados, desenvolve tecnologias de mineração e visualização de dados e estudos aplicados à analise do ativismo e da política nas redes sociais. É midiativista e autor, junto com o professor Henrique Antoun (UFRJ), do livro “A internet e a rua”. Atualmente coordena a pesquisa “Big data da Indignação”, uma análise 11 milhões de tweets sobre as mobilizações políticas no Brasil, no período de junho de 2013 a agosto de 2015.

Porto Alegre: Movimentos Sociais por uma Cidade Mais Democrática (Dia 02/04 – 16h às 17h30)

Nos últimos anos, e seguindo uma tendência global, Porto Alegre tem vivido uma rica experiência de novos movimentos sociais, que transbordam das redes sociais para as ruas. O cais do Porto Alegre, espaço histórico que deu nome à cidade, pode ser remodelado a partir de obras que mudarão a paisagem da cidade. Artistas, intelectuais, urbanistas e movimentos sociais em rede, como #ocupacaismaua e #CaisMauaDeTodos, resistem à proposta apresentada pelo consórcio que deve tocar a obra e lutam por alternativas. Ao mesmo tempo, várias ocupações organizadas têm marcado a cidade nos últimos anos, como Lanceiros Negros, Pandorga e outras associadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). Também neste contexto o Bloco de Lutas pelo Transporte Público se movimenta na luta contra o aumento das tarifas e na defesa de um transporte público e de qualidade.  Neste diálogo estaremos apresentando, na voz dos ativistas, alguns movimentos protagonistas que desejam incidir nas políticas públicas e reivindicam novos canais de participação, em um debate quente e atual sobre temas como o direito à moradia e a ocupação democrática dos espaços públicos de Porto Alegre.

Participantes confirmados:

Liana Cirne Lins – #ocupaestelita Recife (webconferencista)

Lorena Castilho – Militante da Federação Anarquista Gaúcha e membro do Bloco de Lutas. Trabalha também como educadora social e costureira.

Claudia Favaro – Arquiteta e Urbanista, membro da coordenação nacional do MTST, especialista em Gestão Estratégica do Território Urbano pela Unisinos e diretora do IAB/RS.

Priscila Voigt  – é formada em nutrição pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), fez residência em saúde coletiva com ênfase em atenção básica pela Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (ESP/RS), é da Coordenação Estadual do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), da Ocupação Lanceiros Negros e da Direção Estadual da Unidade Popular pelo Socialismo (UP).

Katia Suman – voz e personalidade marcante na rádio e na cultura portoalegrense. Dirige e produz a Rádio Elétrica e o Sarau Elétrico. É uma das figuras à frente do coletivo Cais Mauá de Todos.

Diversidade Sexual e de Gênero: Os desafios do Ativismo na Rede (Dia 02/04 – 18h às 19h30)

Consolidando-se a partir da década de 1970, junto aos chamados “novos movimentos sociais”, o movimento LGBT vivencia de forma especial as transformações potencializadas pelas articulações em rede. Novas representações surgem, figuras antes desconhecidas mobilizam multidões nas redes sociais e grupos de ativismo se unem pela internet para discutir teoria e prática. Reforça-se a necessidade de pensar a interseccionalidade a partir de diversas categorias, como classe social, raça, etnia, gênero e padrões de beleza, além de enfrentar a invisibilidade de travestis e pessoas trans dentro do próprio movimento. De que modo as redes podem potencializar demandas LGBT e trazer visibilidade para grupos e indivíduos, em um diálogo capaz de atender vulnerabilidades específicas e acolher as diversas identidades?

Participantes confirmados:

Juliana Moura Bueno (mediadora) – Cientista Política. Foi Coordenadora de Projetos do Programa “Aliança das Civilizações” da ONU para juventude e Assessora Especial da Secretaria de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo. Atualmente é Chefe de Gabinete da Secretaria Especial de Direitos Humanos do Governo Federal.

Nanni Rios – Jornalista formada pela UFSC com especializações em jornalismo digital (PUCRS) e economia da cultura (UFRGS), atua como produtora cultural e ativista pelos direitos humanos em Porto Alegre. É uma das integrantes do coletivo cultural Aldeia, onde mantém uma livraria e promove eventos literários com foco em literatura de autoria feminina e gênero e sexualidade. Às segundas-feiras, apresenta o programa Virada Mix, no canal Octo, sobre diversidade sexual, racial, cultural e de gênero. É uma das produtoras da festa de música brasileira Cadê Tereza? e da drag party Priscilla.

Indianara Siqueira – Prostituta, responsável pelo Grupo Transrevolução e fundadora do Preparanem, cursinho preparatório para o Enem voltado ao público trans.

Sophia Starosta – Militante feminista e pelos direitos das pessoas trans. Atualmente é afiliada à Redtrans – Rede Nacional de Pesosas Trans e é pesquisadora pelo NUPSEX (Núcleo de Pesquisa em Gênero e Sexualidade da Psicologia) da UFRGS. Trabalhou também como voluntária em organizações feministas e trans em Montréal, no Canadá.

Webconferencista:

Daniela Andrade – Ativista transfeminista, membro do GADVS – Grupos dos Advogados da Diversidade Sexual e de Gênero e Consultora de Desenvolvimento na ThoughtWorks Brasil.

Mulherada empoderada: os feminismos insurgentes nas ruas e nas redes (Dia 02/04 – 20h às 21h30)

O último relatório da Anistia Internacional deixou claro o que as feministas já sabiam: a liberdade das mulheres sobre seus corpos foi um dos principais atentados aos direitos humanos no Brasil em 2015. A pauta conservadora do Congresso Nacional, o machismo incrustado em toda a sociedade, a violência cotidiana e a indiferença do Estado foram ao limite. Da opressão, cresceu a luta! As consequências surpreenderam alguns: as mulheres simplesmente lideraram as principais manifestações sociais em todo o país. Nas ruas e nas redes, um #feminismo impulsionou o outro e o debate se fez mais plural, superando limites e fronteiras.  Na batalha por direitos, os feminismos se encontram, se reconhecem, se estranham, se dão as mãos e seguem insurgentes na desconstrução de velhos paradigmas de gêneros. Em 2016 vai ser maior?

#MulheresContraCunha #MarchaDasMulheresNegras #PrimeiroAssédio #MeuAmigoSecreto #VamosJuntas #MexeuComUmaMexeuComTodas #NiUnaAMenos #legalizarOaborto #EuPrecisoDoFeminismo #AgoraÉQueSãoElas #VaiTerShortinhoSim

Participantes confirmadas:

Monique Prada – Trabalhadora sexual , presidenta da CUTS – Central Única de Trabalhadoras e Trabalhadores Sexuais e co-editora do MundoInvisivel.org
Clara Averbuck – Escritora e blogueira, uma das responsáveis pelo blog Lugar de Mulher
Lola Aronovich – Tem mestrado e doutorado em Literatura em Língua Inglesa pela Universidade Federal de Santa Catarina e, desde 2010, é professora do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal do Ceará. Em 2008 começou o Escreva Lola Escreva, um dos maiores blogs feministas do Brasil, com média de 450 mil visualizações de páginas por mês.
Rubia Abs da Cruz – coordenadora do CLADEM – Brasil – Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher 
Negralisi
– feminista, ligada ao Coletivo Alicerce

Webconferencista:

Jaqueline Gomes de Jesus – Psicóloga do Núcleo Interdisciplinar de Ações para a Cidadania da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília, com pós-doutorado pela Escola Superior de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro. É pesquisadora e autora de dezenas de publicações sobre gênero e feminismo, entre elas os livros “Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos” e “Transfeminismo: teorias e práticas” e os únicos dossiês sobre transfeminismo em revistas científicas brasileiras.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.