Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Em 2009 foi lançado um filme chamado Centopeia Humana, a história de um senhor doente que tinha um único desejo: criar o ser que dá nome ao filme. O filme seguia basicamente o mesmo roteiro de todo e qualquer filme de terror que se preze: jovens se fodem em alguma medida, tipo tendo o carro estragado, por exemplo, e caem na mão de psicopatas que querem estuprar e matar, estripar, queimar, chicotear, caçar, partir, aleijar, mutilar, etc. Mas o Dr. Heiter não queria matar ninguém, ele queria simplesmente criar um animal de estimação inventado por ele, e que consistia no seguinte: a primeira pessoa temcentopeiahumana01 uma segunda pessoa com a boca costurada no ânus dela, a segunda pessoa tem uma terceira pessoa com a boca costurada no ânus dela, e assim por diante, embora no primeiro filme fossem apenas três pessoas (imagem ilustrativa ao lado), fazendo com que o aparelho digestivo das três (ou mais) fosse um só. Bacana né?

O filme não tem nenhuma razão de ser além de chocar, o roteiro não é quase nada trabalhado e além do choque que percorre quase todo o filme, ele traz uma virada final (é sempre a mesma coisa, e por isso nem assisti ao segundo filme, que tem avaliação ainda menor que o primeiro). E pasmem: eu gostei do primeiro. Gostei porque era diferente de tudo que eu já tinha visto, gostei porque o horror estava ali e Tom Six, o doente por trás da direção e roteiro, conseguiu me fazer sentir dor fisicamente (além de uma leve vontade de vomitar), transcendendo o que eu estava vendo de olhos arregalados, como quando você vê uma fratura exposta, ou alguém sendo chutado no saco, e por aí vai.  Além disso, Six imprimiu um tom mais sério no primeiro filme, algo que no segundo (e pelo trailer também no terceiro) já não acontece mais, eu tive medo do Dr. Heiter, eu via nele uma pessoa que poderia existir na vida real, um maniaco com desejos cirúrgicos e de ser um criador, um deus. Foi por isso que o primeiro funcionou. Do segundo em diante Six imprime uma vibe oitentista, num terror caricato de comédia que eu detesto, a la Uma Noite Alucinante (sim, eu acho uma bosta, desculpa aí), que funcionava em 70-80 e até 90, mas já passou, já foi.

Apesar disso, que você pode confirmar claramente pelo trailer com direito a narrador e fontes que remetem àquela época, confesso que fiquei curioso para saber como é que eles vão administrar (os dois personagens dos primeiros filmes) uma centopeia humana de QUINHENTAS PESSOAS, além disso, todo nojo e agonia que senti no primeiro filme voltaram a acontecer quando assisti ao vídeo que você pode ver logo abaixo, só não sei se quero perder meu tempo vendo o capítulo final dessa trasheira. Centopeia Humana 3 tem estréia prevista para dia 22 de maio nos Estados Unidos.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.