Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Acho que tudo que a maioria gostaria de ver era espetáculo, não só por parte da seleção brasileira de futebol, mas também por parte das prefeituras, governos do estado e governo federal. Notem que eu citei 3 instâncias de poderes, já que é errado citar apenas uma pessoa como culpada, no caso a presidenta Dilma, ou apenas um partido como culpado, no caso o PT. É um trabalho conjunto e nós fazemos parte dele também: não adianta Dilma/PT passar o dinheiro para Fortunati/PDT e ele não fazer nada, por exemplo, tipo o metrô que ele já tem o dinheiro na mão faz tempo e sequer iniciou licitação; e aí, depois de pronto, temos que cuidar dos bens para que eles durem, criticar erros e elogiar acertos (essa última parte anda difícil).

A maioria queria ter o direito de curtir um dos passatempos/esportes mais populares do mundo, mas também ter direito a todos os benefícios que nós não deveríamos precisar de Copa para usufruir. Nós pagamos impostos para obtermos isso, mas a Copa parecia poder acelerar algumas coisas que tanto aguardávamos: transporte melhor, investimento em mobilidade, hospitais melhores, limpeza melhor, segurança melhor, iluminação melhor, mais hotéis, mais visibilidade para o turismo, mais segurança no trânsito… Tivemos tempo para fazer tudo isso (o país que mais teve tempo até hoje), tivemos dinheiro para tudo isso… Mas não fizemos. A Copa veio, já está indo e continuamos basicamente no mesmo ponto em que estávamos, e o que foi feito ficou mal feito.

Sábado eu assistia Brasil e Chile torcendo para que o Brasil perdesse no futebol e não perdesse o impeto nas manifestações, porque querendo ou não a festa de um campeonato pode influenciar algumas pessoas (vide Espanha em 2010, que estava em crise, continua em crise, mas as manifestações após o campeonato abrandaram até morrer por completo). Daí a coisa foi complicando no jogo, o Brasil era claramente inferior, jogava muito menos, com uns poucos lampejos de criatividade. Aquilo me angustiou e eu comecei a pensar em quem pouco tinha com que se alegrar, sendo uma das alegrias a do futebol, pensei em famílias aglomeradas em frente a  TV do único vizinho que tem uma que preste assistindo e torcendo, pensei no sofrimento gritante dessas pessoas que seria acalentado com o tão aguardado hexa. Todavia eu tive que continuar pensando além…

A derrota do Brasil do futebol será devastadora para muita gente, mas talvez ela seja necessária para que essas mesmas pessoas não esqueçam que o Brasil, em diversos dos seus níveis, não o do futebol, já está derrotado há algum tempo e os derrota todos os dias em filas de hospitais e escolas precárias, para citar o básico. Já essa outra derrota, do futebol, na minha opinião, virá, visto que o time não tem condições de ganhar se comparado com outros que estão melhor preparados para competição e que não precisam se preocupar em construir um país melhor, eles já fizeram isso (Holanda e Alemanha, por exemplo).

Foi triste assistir aquele jogo e ter que separar minha paixão pelo futebol da paixão pelo país que me criou, e que é muito mais importante do que um hexa campeonato, e é justamente por reconhecer as qualidades que essa terra tem (embora às vezes eu reclame demais por ter coisas erradas além da conta), que eu quero que esse Brasil, o do futebol, perca. Seria ótimo ter os dois, seria mesmo, mas no pé que as coisas estão, do modo que elas foram conduzidas, essa derrota é o tapa na cara que algumas pessoas precisam.

Eu vou me emocionar e vou chorar com todas elas, porque eu sou um apaixonado pelo esporte e vai ser dolorido, mas vou estar mais feliz ainda quando elas estiverem de pé, em alguma manifestação, lutando pelo Brasil que vale a pena lutar, o Brasil que não é feito apenas de futebol, o Brasil que precisa evoluir para nos abrigar e abrigar nossos filhos, netos, bisnetos… O Brasil que precisa ser uma Holanda, ou uma Alemanha, que são bons dentro e fora de campo. E o próprio Chile, desclassificado, sai melhor do que nós na maior parte dos outros aspectos que precisamos muito mais do que futebol.

Temos que lutar pelo dinheiro que gastamos, somos nós que pagamos tudo por aqui (inclusive os estádios).

Acho que todos torcemos por esse Brasil, muito mais do que pelo outro (o do futebol).

Sobremesa: Os neurônios que NÃO perdi assistindo futebol.

 

Se os autores das fotos aparecerem avisem que eu credito. 

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.