Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


Figurando uma das mais novas modas no mercado nacional e exigindo um nível expert de pesquisa e barganha, a Black Friday pode facilmente deixar de ser uma oportunidade de boas compras e passar a ser um cansativo teste de paciência para o consumidor brasileiro.

blackfriday002

Afinal de contas, o que é Black Friday?

Black Friday (Sexta-feira Negra) é um termo criado pelo varejo estadunidense que designa um dia em específico no ano em que as lojas realizam promoções de seus produtos. O dia é sempre a sexta-feira (óbvio) após o Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day, celebrado na 4ª quinta-feira do mês de Novembro, nos Estados Unidos e Canadá, em gratidão ao Deus cristão pelos bons acontecimentos durante o ano). A data vem se espalhando por diversos países e traz com ela muita polêmica, as quais serão apontadas posteriormente no texto.

Existem vestígios de que a denominação surgiu no inicio dos anos 90, na Filadélfia, quando a policia local se referia ao dia seguinte do feriado de Ação de Graças. Black Friday também já foi associado com a crise financeira que em 1869 assolou os Estados Unidos. Só em 1975, devido a utilização do termo por jornais que descreviam a euforia gerada pela data, foi que Black Friday tornou-se popular. Outros argumentam que o termo é uma referência ao “be in the black”, o que seria algo como “trabalhar com saldo positivo, no azul”, oposto de “be in the red” (estar no vermelho). Contudo, Black Friday firmou-se como o período de maior agitação e faturamento de lojas varejistas, sendo considerado até mesmo feriado em alguns locais. Só que no Brasil, não (chorem).

 

"Ebaaa, consegui meu MP57 que lava, passa e me dá vida extra no Candy Crush!"

“Ebaaa, consegui meu MP57 que lava, passa e me dá vida extra no Candy Crush!”

Black Friday no Brasil

A primeira loucura varejista ocorreu em 28 de Novembro de 2010, limitando-se às compras online. Contou com cerca de 50 lojas na ocasião. Porém, hoje a data passou a surtir efeito também em lojas físicas, de pequeno a grande porte, e até por vendedores ambulantes e autônomos. Apesar de todo o sucesso de arrecadamento e faturamento das lojas, quem também faz muito sucesso nesta data é o Procon. Sério.

“Black Fraude”, “Black Fail”, “Tudo pela metade do dobro” são termos oriundos da grande insatisfação de clientes neste dia. Sem contar na apropriação que algumas lojas fazem, “abrasileirando” o termo para “Red Friday” (Lojas Americanas) e “Yellow Black Day” (Saraiva). Prefiro nem mencionar as outras lojas que começam a praticar o “Black Friday” na quinta-feira (Thursday) ou que colocam um contador regressivo no site com tempo completamente errado (Walmart). Segundo o contador deles, a Black Friday seria no sábado (risos). Não posso esquecer de registrar ações muito estranhas de outras, que realizaram manutenções nos sites durante o evento (Casa & Video) ou simplesmente retiraram o site do ar, para realizar melhorias (NetShoes). Mas por outro lado, existem lojas que realmente são honestas e preparam um catálogo de produtos e descontos muito interessantes, oferecendo real chance de economizar. A não ser que você vê, por exemplos, milhares de livros a preço de banana e não tem um centavo no bolso. Tô tremendo Rosana!

Ainda que o slogan da Black Friday seja oferecer descontos de até 90%, existem lojas toda trabalhadas na esperteza, que manjam dos paranauês, e que conseguem manipular seus descontos, maquiando os valores e tirando proveito das grandes vendas no dia sem realmente oferecer um preço justo. Esta “trapaça” é feita subindo o valor do produto dias antes do evento e, na Black Friday, retorna ao preço que seria de costume, passando assim a impressão de um grande desconto e uma boa oportunidade ao consumidor. E a compulsão e satisfação em conseguir descontos nas compras são tão grandes que o consumidor pode nem perceber a farsa e acreditar que saiu em vantagem (“MÃEEEE, consegui comprar o Xbox pelo mesmo valor daquela moto que vi semana passada! Obrigado Jesus!”).

Como se não bastasse exigir a habilidade do consumidor em realizar uma pesquisa de preços (barganhar mesmo!) e encontrar lojas que genuinamente oferecem desconto no produto, a Black Friday pode revelar-se como um dos desafios mais cansativos e de alto grau de irritabilidade. Qualquer um que tenha se arriscado a garimpar e realizar uma compra neste dia já passou por, no mínimo, um destes momentos:

  • “[47º lugar na fila] Desculpe-nos! O site está muito cheio. Em breve você poderá entrar em nosso site e aproveitar as nossas ofertas, aguarde sua vez!” – Como se não bastasse o brasileiro enfrentar filas e mais filas em bancos, postos de saúde, filas de eventos e demais ocasiões, ele também enfrenta fila em uma loja VIRTUAL. Pra não perder o costume né? Brasileiro não pode ver uma fila que já corre pra entrar nela.
  • “Ops, seu carrinho está vazio!” – Após vários minutos aguardando na fila, você consegue entrar e então passa a sofrer com a lentidão do site enquanto pesquisa seus produtos. Dá tempo de fazer um lanche, ver a partida de futebol do seu time e ler alguns capítulos do livro sensação do momento. Finalmente, após muita luta, você segue todo feliz para concluir sua compra… Seria uma pena se todos eles sumissem do seu carrinho e você tivesse que refazer todo o processo novamente.
  • “Página temporariamente fora do ar” – Minha paciência também! E meu gato também tá no ar, acabei de jogá-lo escada abaixo.
  • A compra não conclui – Você já tentou pelo boleto, cartão de débito, cartão de crédito e perdeu 1/3 do seu dia tentando finalizar a compra. O dia já virou noite e o site está carregando a página com o desejado número do pedido. Ou você é brasileiro “que não desiste nunca” ou joga o computador pela janela.
  • 504 Gateway Time-out. The server didn’t respond in time – zzzzzzzzzzzzzzzzz, oi? Já é segunda-feira?
  • O valor do produto perde o desconto ao finalizar a compra – Você já está todo suado, cansado e ofegante, bravamente lutou para encontrar os produtos desejados com desconto. Mas tudo desmorona quando você tenta concluir a compra e percebe que TODOS os seus produtos perderam o desconto. E quando tenta voltar à página dos mesmos para conferir o valor, seu carrinho esvazia e você volta para o 89º lugar na fila de espera. Que maravilha meu irmão!
"Tudo pela metade do dobro. Cliente esperto não paga mas também não leva!"

“Tudo pela metade do dobro. Cliente esperto não paga mas também não leva!”

Se você passou por todos estes testes e conseguiu comprar algum produto, PARABÉNS! Você é um exemplo de determinação e poço de paciência (se quiser ensinar ao colega, registre seu comentário logo abaixo e nos ilumine por gentileza). Agora se você, assim como a grande maioria, xingou muito no twitter, registrou queixa no ReclameAqui, printou as telas e preparou todo o arsenal para travar guerra no Procon, estragou seu computador de tanto socá-lo, brigou com o pai/mãe/namorado/amigo que não te davam sossego enquanto você tentava fisgar algum desconto, meus parabéns também! Afinal de contas, você tentou! Sse os sites não conseguem lidar com o grande fluxo de acessos e apresentam mais bugs que versões betas de seus jogos favoritos, não é culpa sua. E eu seu sei que enquanto você lê este texto tenho amigos moendo o F5 de seus teclados buscando concluir suas compras. Boa sorte e até a próxima Black Friday (torcendo para que angarie mais gafes e menos problemas).

Passou por alguma situação engraçada? Ou que você simplesmente quis explodir a loja/site? Conte pra gente sua experiência! E por terem conseguido sobreviver ao dia de hoje, uma recompensa para todos vocês:

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.