Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


O POST CONTÉM SPOILERS DO EPISÓDIO EM QUESTÃO

Será que podemos esperar que mais seja dito sobre o futuro, ou vamos ficar só nisso? Em trocentos boatos que foram divulgados desde que ficamos sabendo sobre o retorno ao universo Breaking Bad, vários deles diziam que Better Call Saul se passaria antes e depois da saga de Walter White, e é exatamente no futuro que começamos, com um Saul depressivo depois de perder tudo que havia conquistado (através do caminho fácil). A essência de Saul, o homem espalhafatoso, de piadas de gosto duvidoso, o cara agitado, não existe mais. Ele está sentado, com suas persianas lacradas, luzes apagadas, com medo, e assiste aos comerciais ridículos que estrelava.

Eu gostaria de ver mais sobre o futuro, mas acho que é esse caminho fácil, mesmo tomado por Walter White, que nos será mostrado, só resta saber até que ponto, haja vista que os dois estão em rota de colisão. O universo de Breaking Bad é tão expansivo que a série pode ter uma quantidade absurda de spin-offs, mas o de Saul certamente é o mais importante, mesmo porque, o envolvimento de Jesse com W.W. é tão forte que seria quase impossível usá-lo numa série a parte (a não ser que ela nos jogue no tal futuro, e por que não?). Saul, assim como Walter, tem seus motivos para querer vingança, e tem todas as possibilidades do mundo para ser corrompido. A corrupção já começou.

Um início digno do personagem genialmente interpretado pelo ator Bob Odenkirk, num dos vilões mais carismáticos que a TV já viu, e um dos menos assustadores também. Saul é muito mais confundível com mocinho do que o volátil Heisenberg, ou o “inocente” Jesse. Um início melhor que o de Breaking Bad, a propósito. Introdutório também, mas menos carregado, mais direto/desenrolado, numa apresentação que não deve durar os quatro episódios que muitas vezes afastaram as pessoas de Breaking Bad (eu mesmo convenci amigos a avançarem além deles). Saul, ou McGill, já encontrou Tuco, e daqui pra frente é ladeira acima, pra depois descer desgovernado. É impressionantes como Vince Gilligan sabe criar uma história consistente desde o primeiro momento. E hoje tem mais um episódio, que já passou ontem nos Estados Unidos, mas a gente pode esperar pelo ótimo comprometimento da Netflix para com o público brasileiro.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

Better Call Saul: Uno (s01e01)
Quantos sundaes vale esse episódio:
PRÓS:
  • Cenas do futuro (em preto e branco, diga-se de passagem).
  • O Saul de sempre.
  • A aparição de Tuco.
CONTRAS:
  • Talvez o episódio tenha sido um pouco superficial.
9.3Nota
Nota do Leitor: (0 Votes)
0.0