Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


O TEXTO ABAIXO CONTÉM ALGUNS SPOILERS!

Assisti Batman v Superman: A Origem da Justiça, finalmente, e a pergunta que eu me faço é se os críticos que deram nota baixa pra aquele filme e nota alta pros filmes da Marvel, qualquer um deles, viram os mesmos filmes que eu. O filme é um drama de ação e não uma comédia de ação, como são os da concorrente. Simples. É excelente, e superior a uma sacola de filmes da casa das ideias. Vingadores: Era de Ultron é brincadeirinha perto das cenas transportadas diretamente dos quadrinhos pro cinema em BvS, que é um PG-13 no limite dos limites. E não que os filmes da Marvel sejam ruins, que isso fique claro desde já.

Ben Affleck é o Batman. Gal Gadot é a Mulher Maravilha, e sem nenhuma necessidade de masculinização da personagem. Henry Cavill continua bem como Superman. Jeremy Irons muda o tom de Alfred para algo mais ativo, palpável, irônico e, pela primeira vez no cinema, condizente com a história do personagem na vida de Bruce Wayne. Amy Adams é sempre perfeita onde está, e é a Lois Lane definitiva, mais corajosa, nada passiva em sua vida jornalística. Diane Lane mais uma vez destrói como Martha Kent no pouco que aparece. As inserções, ainda que curtas, de Aquaman, Flash e Cyborg, são empregadas com sucesso e os atores estão ótimos nelas. E aí vem minha única ressalva: me incomodou, definitivamente, a atuação caricata de Jesse Eisenberg. Lá no início eu achei que caberia um Lex Luthor megalomaníaco, um jovem aloprado e pareado com o que vemos hoje no mercado em muitas ocasiões, mas eu não consegui, em nenhum momento, também, desligar uma proximidade daquilo que eu via ali com o Coringa de Heath Ledger. Não encaixou. Talvez algo mais sóbrio como sua interpretação de Mark Zuckerberg em A Rede Social, claro que com um acréscimo de sociopatia. No contexto geral não prejudicou, todavia não me agradou.

Detalhe? Sim, detalhe, no todo Batman v Superman dá um banho de quadrinho em quase todos os filmes de herói, queriam ver a filosófica DC, a sombria DC, a graça da Marvel, as piadas, o brilho, as cores, queriam ver muita coisa, a DC/Warner seguiu seu caminho, fez um ótimo trabalho e foi original, trazendo dos quadrinhos uma infinidade de cenas icônicas, e muito mais do que qualquer filme da Marvel (salvo Deadpool, creio eu). E se você me perguntar se é cedo pra dizer que o Universo DC tem potencial para ser melhor que o da Marvel nos cinemas, eu te respondo em formato de vídeo com a cena inicial do filme linkada com a cena final de Homem de Aço:

Nenhum filme da casa das ideias, pode ir procurar, fez uma amarração de roteiro em que os dois filmes estivessem ligados de forma tão clara como foi realizado APENAS NO SEGUNDO FILME desse novo universo que nos é apresentado, e que abre, inclusive, diversas linhas de ligação para os outros filmes que estão por vir, linhas claras, não cenas de créditos finais e nem easter eggs. Isso é um universo. No vídeo acima, até mesmo o posicionamento dos prédios, quedas dos escombros, os lasers de Zod, estão exatamente nos mesmos lugares. Em termos técnicos o filme é absolutamente impecável, e mesmo o Apocalypse, que achei mal feito nos trailers, no filme está sensacional. E vocês tenham certeza de que especialmente essa transição entre roteiros deu um sustinho nos estúdios Disney, que, até então, não estava muito preocupado com entrelaçar suas histórias, muito menos os estúdios Fox, mas aí fica fácil realizar Guerra(s) Infinita(s), com mais de um filme, e parecer que você está criando uma história continua.

De onde veio o mimimi? Eu não sei, queriam cores e piadinhas, não tiveram, tiveram drama e peso, um policial, um filme investigativo, jornalístico, sobre terrorismo, sobre falsos profetas, sobre a fragilidade de um povo, sobre política, sobre sociedade, sobre religião, sobre cultura, sobre nós, e os quadrinhos estavam lá, em massa, incluindo a excelente cena de morte do Superman. Na verdade, são várias as cenas que deram CONTROL+C CONTROL+V nas páginas da DC, então eu repito: de onde veio o mimimi?

 

A verdade é que eu já tinha feito essa reflexão, vamos chamar assim, sem nem ao menos assistir ao filme, só de ler criticas e comentários de quem via o filme antes de mim. Majoritariamente os fãs gostavam, majoritariamente os críticos detestavam (tanto que a Warner passou a usar comentários de fãs na divulgação). Vários canais bons deram notas altas, não tão bons deram baixas. Daí surgiu um boato consistente de que muitos desses “críticos” foram vistos batendo palmas de pé em premiers (foram citados nomes, inclusive) e depois deram notas ínfimas em seus reviews. Será que já chegamos nesse ponto, onde executivos compram críticos para influenciar na bilheteria da concorrência? Não duvido de nada quando se trata da sujeira de Hollywood, mas não deu certo, Batman v Superman superou as expectativas e está quase chegando a marca de 900 milhões de dólares, batendo recordes aqui no Brasil.

E aí não sei porque cargas d’água, surgiu uma notícia umas semanas atrás de que, supostamente, os produtores executivos do estúdio, com medo da reação negativa da critica (???), pediram para algumas cenas de Esquadrão Suicida serem novamente tratadas, alguns sites entenderam como refilmagem, outros entenderam como dar mais brilho e cor (Marvelização), outros quiseram entender como acréscimo de cenas de piadinhas (Marvelização). Se a Warner está com medo, depois de ter ganho quase 1 bilhão em seu SEGUNDO filme, olha, que bando de cagão, não me admira que até hoje só fizeram merda com os filmes da DC além de alguns Batmans e Supermans. Não bastando isso, tem toda coisa do Coringa do Jared Leto, que até eu já estava implicando, daí trombei com essa imagem abaixo na internet:

coringajaredleto00

E aí? CONTROL+C CONTROL+V. Tem algo a acrescentar? Fica complicado quando a gente pega e coloca lado a lado, não é verdade? É adaptação? Claro, mas procura respeitar os fãs o máximo possível, coisa que não tem sido muito a preocupação do outro lado da moeda. Não pense que isso é a minha prioridade, longe de mim, eu me divirto com os filmes todos (até com Ultron, que me decepcionou um tantinho), só não gosto de ver gente cagando regra, dizendo que foi ruim porque não mostrou detalhe X ou Y, porque não agregou ao camarote, quando na verdade a pessoa está falando mal pra ter clique (ou pra ganhar algum por fora, ou não entende porra nenhuma mesmo, ou acordou com o pé esquerdo, ou está com prisão de ventre, vai ver precisa arrumar patrocínio de um laxante).

Disse antes, digo de novo: vai no cinema pra se divertir, esquece um pouco do quadrinho porque muita coisa que é feita lá não pode ser reproduzida no cinema e nem nas séries. A DC trouxe uma nova visão, é diferente, vocês queriam mais do mesmo? Pra que, se sempre foram diferentes nos quadrinhos? Pra mim, se temos que nos preocupar com algo, são questões muito mais importantes e simbólicas dentro do contexto geral, como política, sociedade, representatividade, que tem sido esquecidas pela Marvel, e que a DC, de início, tem errado menos, mas também tem errado. Guerra Civil está chegando, e essa é uma parte impregnada de política e questões sociais nas páginas da Marvel, vamos esperar pra ver o que vão fazer com a história. Além disso, Affleck foi confirmado na direção e roteiro de Batman, esperem, de novo, DRAMA E POLICIAL. Fora isso é diversão, aproveitem o dinheiro de vocês e corram para ver um ótimo filme antes que ele saia de circuito, pois outro já vem chegando, e outro, e mais outro…

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.

Batman v Superman: crítica, mimimi, Esquadrão, Coringa, teorias...
Quantos bolos de cenoura vale esse filme?
10Nota
Nota do Leitor: (3 Votes)
9.7