Esse prato não sairia do forno sem o financiamento de: Tiago Pariz Almeida!
Quer ver seu nome aqui? CLIQUE e saiba como.


A Black Milk Clothing é conhecida mundialmente por causa de sua relação com os “nerds”, a marca desenvolve roupas sintéticas/de látex direcionadas para meninas que estejam antenadas nos mais diversos ícones da cultura pop. Uma de suas roupas mais conhecidas é um collant com as características do robô R2-D2, de Star Wars. A marca já vinha recebendo algumas criticas espaçadas sobre a contratação de modelos padronizadas para divulgar suas roupas, sem nunca colocar mulheres “normais” na vitrine, mas essa semana os caras ultrapassaram todos os limites do bom senso.

A imagem de destaque é uma “piada” que eles fizeram com o público que alavancou a marca, pois, de certa forma, antes deles investirem em roupas baseadas em ícones da cultura pop a marca era uma ilustre desconhecida. A carga de criticas foi absurda e a mídia social ao invés de manejar a situação, não discutir, reconhecer o erro e recuar, excluindo o post, começou a excluir os comentários de quem criticava o preconceito praticado por eles. WHAT? Isso aí, e foram além, começaram a bloquear essas pessoas. BLOQUEAR SEUS CLIENTES.

Fantástico, não? Cara, fecha as portas e vai embora, porque assim a marca já era. Depois de toda discussão (sim, eles discutiram com seus clientes nos comentários), eles não admitiram o erro e disseram que apenas iam excluir o post porque as pessoas estavam exaltadas (com razão, logicamente), e que aquilo não passava de uma piada, que as pessoas levaram muito a sério, que essas pessoas eram uma minoria…

Em que mundo esse pessoal vive? Que mídia social é essa? Que empresa é essa? Uma tal de Alicia, que pelo jeito é quem gerencia a parte social da empresa, inclusive mandava quem estivesse insatisfeito comprar em outro lugar, “descurtir” a página. Só faltou mandar os CLIENTES tomar no cu. Idiotas, idiotas por todos os lados. E até mesmo diversas meninas não souberam reconhecer que existe sim um preconceito por trás da tal “piada”, é o já famoso condicionamento causado pelo machismo. Muitos disseram que a intenção era dizer que as meninas eram mais “geeks” do que se esperava. Aham, tá. Comparando uma mulher “padrão” com uma “normal”? Certo. Continuem vivendo nesse mundo. Basta ler a frase que acompanhava a imagem para notar o tom de inferiorização.

O pior é que a atitude como um todo vai contra os 10 mandamentos que constam no site da empresa. É bizarro. Pelo jeito eram 10 mandamentos da boca pra fora e eles se lixam para o universo de suas clientes. Abaixo estão alguns prints de pessoas decepcionadas com a marca, criticando uma atitude que nunca havia sido tomada antes e os prints da tal Alicia batendo boca com o pessoal. Além do “Team BM” corroborando com a situação (no fim demonstraram ser um amontoado de ignorantes, não apenas a Alicia).

É de empresas assim que o mundo não precisa. Por fim um dos chefões da parte de vendas pediu desculpas, bem esfarrapadas e sem reconhecer o erro de fato, mas pediu, porque logicamente a coisa toda tomou proporções catastróficas. E a Black Milk já sai como líder no grande prêmio “social mídia de merda” 2014. As empresas esquecem que a internet, hoje, é um troço muito amplo. Então, se você planejava comprar alguma coisa na Black Milk saiba que ela provavelmente não te quer e não te curte. Além de ser composta de babacas.

Nota: tá tudo em inglês e pra quem não entende lhufas basta ler o que eu escrevi acima.

PRINTS:

 

DECLARAÇÃO DO TEAM BM:

Hey guys, we have had a really good think about this situation and we have come to a decision. We plan on deleting this post (in a few minutes) because we feel it is giving a platform for hateful comments about the brand we know and love. All that we want to do is create beautiful clothes, not deal with internet raging. So let’s close this off. In terms of the major issues people have mentioned, here are our feelings:
1. This is a joke, harmless, not hateful. We like to have a joke and poke fun at ourselves. Be cool with it.
2. Yes, we removed a lot of negative comments because we felt like they had overstepped the mark! We are constantly hearing from our customers that our fan page has become a place of complaining and attacking, and they are sick of it! So we are working at trying to communicate that complaining and negativity all the time is not okay. We have the right to do that, and people should respect that.
3. Yes, people were banned, again, because we felt they had overstepped the mark and were being disrespectful. You can share your opinion, but you can’t attack our staff. We love them too much. Of course, many people are saying that they were banned for “respectfully sharing their opinion”. But there are two sides to every story.
4. We LOVE our customers, but yes, we believe that if you get really upset by the way we do things, you should probably move on and not be a part of what we are doing. That’s not mean, that’s just to save all of us more frustration!
5. “Why can’t you just admit that you were wrong and apologise. Is it so hard?” Because we have integrity. Because we didn’t do anything wrong, so we have nothing to apologise for! We stand up for what we believe in. People can have differences of opinions about what is right and wrong, right?
Hope that makes sense. Thanks so much to all the kind and supportive comments (and hugs) from girls all over the world who are looking forward to a much more positive BM space.
– All the BM team (yes, all of us!)

 

DECLARAÇÃO PÓS DESABAMENTO DAS ESTRUTURAS:

The intention behind the meme was to share a personal experience, and never meant to offend anyone. We misjudged the line between funny and offensive, and underestimated the true impact it would have. I am so sorry. The senior management at Black Milk take full responsibility for the post and the way complaints following the post were handled. Any criticism should be directed there, and not to the social media team who were simply acting under the direction of management.

Achou nossa mensagem importante e quer que ela chegue em mais pessoas? Ajude o Fast Food Cultural a crescer, seja um financiador! Você pode contribuir com o projeto através do Patreon ou Apoia.se, acesse os links, confira nosso vídeo, nossos objetivos, leia outros textos nossos e faça parte da nossa família.